Pouca fé

O ateísmo exige fé. Eu, pecador me confesso, não tenho. Não se é ateu assim do pé para a mão. É preciso  que um tipo acredite, rijamente! É preciso que um tipo, pelo ódio que tem ao mundo, ande à procura de um culpado para o negar, vituperar, nEle despejar a carga catártica. Na cara, escarradamente. Eu não tenho, TAMBÉM, essa fé.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

8 respostas a Pouca fé

  1. ~CC~ diz:

    Diria tal e qual! 🙂
    🙂

  2. c. diz:

    Já Proust – nunca me canso de dizer isto – já Poust notava os beatos do ateísmo.

  3. Teresa Conceição diz:

    Aceita mais uma aldeia para geminar?

  4. Aqui fica uma inglesa que se meteu a cantar os blues, ainda por cima delta blues, que a indústria americana não conseguiu transformar na next Janis Joplin, e que o público em geral esqueceu:

Os comentários estão fechados.