Encontrei os teus dentes filho da mãe!

Pois é, perdi a cabeça … mas não foi com o título. Não gosto de dentes nem de filhos da mãe. O Rui Carvalho que não conheço nem do eléctrico, … toca!

A sensualidade com que ele faz vibrar a corda e arrancar o som convidaram-me a trazê-lo, para que o sintam também!

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Encontrei os teus dentes filho da mãe!

  1. Maria do Céu Brojo diz:

    Sem esquecer dentes e dentuças, filhos da mãe (filho de senhora pouco séria será o escalão seguinte?), remanesce a magia das cordas quando vibram intensas. «Prá troca» deixo esta.

    • Rita V diz:

      ah!!!! Já conhecia, deduzo familiar. Assim e porque não quero meter água deixo a sensualidade do mestre para outra altura. Pode ser?
      🙂
      obrigada

      • Maria do Céu Brojo diz:

        Em tempos, escrevi historieta familiar.

        Nas férias, conhecido tocador de viola cujo apelido partilho e a quem a canção coimbrã muito deve, voltava à casa dos avós graníticos no bem ser e melhor parecer. O pobre do rapaz, aos domingos, era compelido a aperaltar-se e, junto da avó, assistir à Santa Missa. Ele preferia o coro onde somente homens tinham assento e lobrigavam as pernas das mulheres ajoelhadas. Mas não!… Pela rédea curta, ficava rente ao ‘prie-dieu’ da matriarca. Eis quando ouviu, atrás de si, sussurros.
        _“Quero fazer xixi”, dizia um petiz.
        _ “Não aguentas?”, retorquia a mãe.
        _ “Nãoooo!” respondia o miúdo aflito.
        _ «Atão» vai ao adro.
        Silêncio. Instantes passados, a mesma voz infantil:
        _ Não o «átxo»!
        _ Como não o «átxas»? Chega-te para desabotoar melhor os calções. Já está. Desanda!
        No entretanto, esganiçavam-se as vozes em salmos cantados que arranhavam o ouvido o do tocador. Silêncio, enfim! Sente o garoto voltar ao assento e ouve a pergunta da mãe:
        _ «Atão, atxáste-lo»?
        O petiz:
        _«Atxei-o»!
        _“Dominus Vobiscum”, terminou o pároco que havia de ser meu tio-bisavô.

  2. O nome não rende muita justiça à música, que me surpreendeu positivamente, quando a minha filha ( com alguma vergonha) me passou para o iPod….

  3. curioso (ou20) diz:

    repondo ordem na mes(m)a:

    ‘Encontrei os teus dentes’
    (sensualidade, vibração, arrancar sons, sintam-no)
    http://www.youtube.com/watch?v=XG7s6Mby8eA

    ‘Não sei desenhar barcos’
    (ignorância, toca a ensiná-lo)

    • A primeira música que eu ouvi foi precisamente este clip de video, depois ouvi o desenhar barcos e acabei nos dentes. Gostei tanto que o trouxe. Obrigada por ter completo a ordem das coisas.

Os comentários estão fechados.