Lázaro de Betânia

Sempre me intrigou o facto de Mateus, Marcos e Lucas, nos seus belíssimos Evangelhos, omitirem o episódio da morte de Lázaro. Esse episódio é de vida e morte, de morte e ressurreição. É, de todos os milagres, o milagre dos milagres, demonstração do poder sobre a morte: “Eu sou a Ressurreição e a VIda.”

Em João, o único evangelista que o viu ou dele soube, é um dos episódios mais íntimos e dramáticos. Lembro que, chegado ao túmulo onde Lázaro já repousava há quatro dias, Jesus chorou. “E Jesus chorou.” Ou também: “Et lacrimatus est Iesus.”

O Filho do Homem chorou. João não só retrata esse episódio com tintas que vão para além das do objectivo cronista, como se autoriza ser o narrador omnisciente que expõe a turbação interior do nazareno. Diz João: “comoveu-se interiormente e ficou conturbado.” Ou, noutra tradução, “tornando a bramir em si mesmo”. Se alguém me explicasse essas lágrimas, se alguém me explicasse esse íntimo tremor — e como é que João o viu…

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

6 respostas a Lázaro de Betânia

  1. fernando canhão diz:

    Don Manuel, no livro Poncio Pilatos de Roger Caillois, versão portuguesa da Esdúdios Cor, 1972, Direcção Literária Natália de Correia, tem o meu amigo a resposta à sua questão.

    • Curioso (flaviense) diz:

      Natália (de Oliveira) Correia
      [email protected] pela pista!

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Vou à procura. Nunca li.

      • fernando canhão diz:

        é uma delicia, e claro o Herodes trama-se, aquele o da cegarrega infantil , irrepetível num blog familiar como este. E a pergunta, Aquela criança Eugénia de seu nome terá fugido com o Minotauro? Deviamos exigir a breve devolução. Sinto-lhe muito a falta, e certamente não apenas eu, Estou certo. Aliás creio que a manifestação do passado dia 15 tinha esse objectivo (o seu retorno), e foi levada para a aquilo da TSU por lapso. O comunismo tem destas coisas.

        • Manuel S. Fonseca diz:

          Fernando, nem pense que é o único a chorar a falta que a Eugénia nos faz. Sim, faça o favor de ir lá para o fundo para o fim da fila que dá a volta mais ou menos por volta do Terreiro do Paço.

Os comentários estão fechados.