Lolita made in Brasil

Bem sei, bem sei, que Nabokov e Kubrick não a desdenhariam, mas há algum imperativo moral que nos impeça de nos entregarmos a uma Lolita que cante em português, com um fio de voz que ameaça desfazer-se a qualquer momento, ao ritmo de um samba bem dengoso? Que descansem as consciências: já lá vão quatro anos desde que a jovenzinha Maria Luiza de Arruda Botelho Pereira de Magalhães, mais conhecida por Mallu Magalhães, provocou algum frisson aos mais susceptíveis por aparecer como namoradinha de Marcelo Camelo, um dos mais talentosos songwriters brasileiros da nova geração. Tudo porque Mallu tinha dezasseis aninhos apenas e Marcelo mais catorze. Mas o frisson aconteceu também por outras boas razões: Mallu logo fez furor pelas suas qualidades musicais, primeiro reveladas num dueto com Marcelo, e depois confirmadas no espaço que, por mérito próprio, conseguiu conquistar no seu percurso a solo. Quanto a conquistas, a rapariga não se ficará certamente por aqui. Garanto-vos que vão ouvir falar muito dela ainda. E, em Portugal, começa a deixar a sua marca. Só para começar, vejam se a descobrem no novo disco de David Fonseca (que por ela diz ter uma grande admiração), Seasons: Falling, lançado esta semana.

Sobre Diogo Leote

Longe vão os tempos em que me divertia a virar costas a senhoras que não gostavam de Woody Allen. Mas os preconceitos de então ficaram-me. O de preferir as vozes sofridas e os gritos de raiva, ou os sons negros e abafados, ao fogo-de-artifício dos refrões fáceis. O de só admitir happy ends em situações excepcionais, quase sempre em histórias de amor em que ninguém apostaria um cêntimo. O de não procurar encontrar explicação para os desígnios insondáveis da sedução ou para tudo o que não é dito, que é quase tudo, na grande arte. E continuo com esta mania de andar atrás da tristeza. Dizem os psicólogos que isso é um privilégio dos que não a têm no seu código genético. Eu não os desminto. A verdade é que, se não embirrasse tanto com a palavra “feliz”, até a usaria para exprimir o prazer que sinto ao escrever sobre almas abandonadas ou corações destroçados. Ainda bem que escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Lolita made in Brasil

  1. O Eco de Umberto diz:

    Dali não há Malu que não seja bela, depois da Mader esta agora é demais.

    • Diogo Leote diz:

      Caríssimo amigo Eco, tocaste num ponto sensível meu: a Malu Mader. Talvez a namoradinha virtual de que mais gostei.

    • Diogo Leote diz:

      Ruy: Esse é um código para aplaudir Lolitas sem dar nas vistas? Se é, aqui fica o meu lá-ri!

  2. Sandra Barata Belo diz:

    a lolita rouba toda a atenção do Sambinha…

  3. Carla L. diz:

    Gostei deste olhar estrangeiro.Nunca a tinha visto desta forma.
    Somente assim: http://youtu.be/-igltaGwvSw

  4. Rita V diz:

    Um título perfeito para esta piquena.

  5. Carla, a Mallu engana, tanto nos aparece cândida como provocadora…

  6. Rita: O título está quase a passar do prazo de validade, a rapariga já fez 20 anos…

Os comentários estão fechados.