O Minotauro

Não sei a que metade touro, metade homem, sacrificamos hoje os nossos jovens e as mais belas virgens. Recordo, talvez por isso, a origem do Minotauro. Minos, rei de Creta, quis mostrar aos cretenses que era o favorito dos deuses e pediu a Poseidon um sinal. Do fundo do mar surgiu um touro. Minos deveria, como lhe segredou Poseidon, sacrificá-lo a seguir. Mas era tão belo o touro que Minos o guardou.

Os deuses não são bons de assoar e este, do mar, vingou-se, inspirando à rainha (Pasifae, porventura Pasífeia, não é?) uma louca paixão pelo touro de belo lombo. O coração e mais alguma coisa incendiada, a rainha disfarçou-se dentro de um fato de vaca (a infeliz sonoridade e campo semântico deste significante não nos devem, aqui, induzir em erro e preconceito) iludindo a expansiva e rija ingenuidade do touro branco (porque era branco este touro que do mar Poseidon mandara). Ocorreram os actos que nestes casos sucedem e da sua consumação nasceu, para opróbrio de Minos, o Minotauro, metade touro, metade homem. monstro que se alimentava da carne humana.

Nas quatro páginas luminosas de “A Casa de Asterion”, Borges convoca-o e retrata-o a outra luz que este final denuncia: ” — Acreditarás, Ariane? — disse Teseu. — O minotauro quase não se defendeu.”

Se é tão fácil matar o monstro porque é que nunca mais vemos, no horizonte, surgir a barca de velas brancas?

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

7 respostas a O Minotauro

  1. Ivone Costa diz:

    Pois, Manuel, mas Teseu esqueceu-se de trocar as velas e, quando o pai, Egeu, viu despontar no horizonte umas velas negas, lançou-se no mar, julgando a empresa falhada e o filho morto. Daí ser lícito a nós, que somos mortais, deduzir que os monstros até nem dão muita luta. Difícil é fazer tudo bem até ao fim.

  2. E eu que reservava as velas negras para uma dramática surpresa, fiquei assim desarmado.

  3. Ivone Costa diz:

    🙁 … mea culpa …

  4. fernando canhão diz:

    Mais uma vez a velha Europa a causar-nos a maior das confusões, e já nem falo das Balcâs. Fosse Creta, uma cidade do estado do Wyoming, nos USA, onde tal como em outros estados desse pais, é expressamente proibido o sexo com animais, e a leviana rainha era logo ali presa, presa e bem presa. Uma informação que o mundo dá muita volta, na loja IKEA Loures, vendem-se peles de vaca, pretas e brancas e também das castanhas.

Os comentários estão fechados.