Universo

As sucessivas observações dos satélites COBE, WMAP e PLANCK ao longo das duas últimas décadas confirmam a teoria do Big Bang e reforçam os argumentos da teoria do Multiverso, segundo a qual o nosso Universo não é mais do que um evento quântico entre incontáveis outros, como bolhas num mar sem fim. Tirando fotografias do Universo quando tinha 380 mil anos de idade e estudando a radiação cósmica de fundo, cujas micro-ondas são verdadeiras pegadas arqueológicas da Criação, estes satélites fizeram mais pelo diálogo entre religiões do que 200 anos de falsos esforços. As teorias do Big Bang e do Multiverso fundem as bases das grandes religiões monoteístas ocidentais (segundo as quais o Cosmos teve um início claro e definido) e alguns dos preceitos nucleares de religiões orientais como o Budismo e o Hinduísmo (segundo as quais o Cosmos é um continuum energético sem princípio nem fim). Portanto: foi a ciência que uniu o Genesis e o Nirvana.

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

8 respostas a Universo

  1. fernando canhão diz:

    Ma haine de la science et mon horreur de la tecnologie m’ammeneront finalement a cette absurde croyance en Dieu.

    Luis Buñuel

  2. E que os deuses não se atrevam a separar o qua agora a ciência juntou.

  3. Panurgo diz:

    ” estes saté­li­tes fize­ram mais pelo diá­logo entre reli­giões do que 200 anos de fal­sos esfor­ços” – Fico então à espera que o Sumo Pontífice me convoque, para irmos todos mostrar as fotografias aos maometanos; por mim começávamos em Constantinopla e era por ali abaixo até Jerusalém, que a judiaria também tem direito. Em vez de uma Cruzada uma “Instalação Itinerante”. Aguardemos.

  4. Pedro Bidarra diz:

    Dará para canonizar um satélite?
    Santo Satélite que está noo céu…

  5. nanovp diz:

    E no final Pedro não teremos ainda a pergunta : e donde vieram os Homens que pensaram a ciência, e donde vieram os gases, os quarks, a tão famigerada “partícula de Deus” ?

  6. Quem criou o Criador? O vencedor ganha um pastel de Belém.

  7. Ruy Vasconcelos diz:

    a ciência.
    quem criou mesmo a bomba de átomos? e os fornos da shoah? que tal a guilhotina e os canhões krupp? e os caças f-16? o napalm? armas químicas? aviões de combate teleguiados, os zangões:..
    mísseis balísticos, usinas e submarinos atômicos. qual será a influência da ciência — de sua aplicações práticas, as indústrias entre elas — no atual estágio de degradação dos recursos naturais do planeta? isso para não falar nos pesticidas, nas gorduras hidrogenadas, nos acidulantes…
    não, pedro m., meu amigo, vamos deixar essa conversa pra outra hora.

    a oferta do o pastel de belém, no entanto, é tentadora. e mais generosa, factível do que esse lero. do que esse “leriado” (gíria profunda, nada científica, por aqui).

  8. Amigo Ruy, a tua visão da ciência é, pelo lido, demasiado discutível para a abordarmos agora. O que tem a ver o napalm com uma investigação séria das origens do universo? Não acredito que o teu leriado epistemológico seja a sério, ou sequer que sejas fã de Rousseau (as proposições que postei são mais de Brian Greene, Stephen Hawking e Michio Kaku do que minhas). Sei bem que sabes melhor do que eu como evoluiram as técnicas de pintura da Renascença. E o que é o cinema senão um pequenino achado tecnológico? Já não falo das descobertas matemáticas que nos permitem estar aqui agora mesmo, trocando mensagens. Bastaria a electricidade: devemo-la tanto ao Criador (para quem Nele acredite) como aos físicos do século XIX. Uma dúzia de pastéis de Belém virtuais, e um abraço.

Os comentários estão fechados.