Filmes para toda a Vida: A Matter of LIfe and Death

Um dia serão mil. Este é o 5º e vem de avião.

A Matter of Life and Death /Um Caso de Vida ou de Morte (1946)
de Michael Powell e Emeric Pressburger

vai morrer e apaixona-se por uma voz

No impenitente anti-realismo de “Um Caso de Vida ou de Morte” há um avião em chamas. O piloto inglês dita as últimas palavras a uma americana que nunca viu. Vai morrer e apaixona-se por uma voz, a voz por ele.

dois mundos, uma escada

O outro mundo, lá de cima, falha a recolha e ele sobrevive. Quando o vêm buscar, apaixonado, recusa a morte. Estala o conflito entre mundos, o de cá de baixo, de um deslumbrante technicolor, e o mundo lá de cima, a preto e branco, imenso cenário surreal, asséptico, tecnológico. Triunfará o amor ou a inapelável lei da morte?

a inapelável lei da morte

Portentosa fantasia, fusão do irracional com o prosaico quotidiano, é também belíssima meditação sobre o tempo, o nosso, linear, que o outro mundo tem o privilégio de suspender (em cenas delirantes) e esse tempo sem tempo, lá de cima, a que chamam eternidade.


o mundo lá de cima, o mundo cá de baixo

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

6 respostas a Filmes para toda a Vida: A Matter of LIfe and Death

  1. O mais belo filme deste mundo e do outro. Tenho uma paixão de ficar maluco pelo “Black Narcissus”, mas este aqui…

  2. Tenho paixão por Michael Powell e Emeric Pressburger. Sapatinhos Vermelhos, talvez, por ter sido o primeiro meu, seja o que mais me define. Mas não é o que mais gosto, gosto desse. Porque não é sempre uma voz que nos chama à vida, desde a mais inédita infância e seus cuidados maternos? E é a voz que continua, evocante, a se fazer matéria de anseios.

  3. curioso (o maior) diz:

    os abundantes superlativos não vos cansam?

  4. Maria do Céu Brojo diz:

    Que maçada! Somente trabalhos de casa para fazer. Problema: em vez de me entediarem dão prazer. E eu sem tempo para cumprir todos eles. Disparate, este. Também não quero ou entupiria as frágeis sinapses.

Os comentários estão fechados.