Herói do mar

Dá tanta, e sentida, vontade de pertencer ao país azul,
herói do mar, que assim se celebra.


de Luis Pipa sobre o original de Alfredo Keil

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

7 respostas a Herói do mar

  1. Maria do Céu Brojo diz:

    Embasbacada pela diferença me confesso.

  2. Curioso (ir ói) diz:

    E o Manuel bem que podia com dizer uma nova letra, à altura do ovo estrelado gourmet 😉

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    Todo o mar é estrelado, Curioso.

  4. nanovp diz:

    E eu que não gostava de hinos, mesmo estrelados…

  5. curioso (aleixado) diz:

    só às noites, claras?

    mas uma letra em vez da outra ‘contra os canhões…’

    com o calor a noz der­rete
    separe a gema da clara
    mui­tas coi­sas,
    impe­ra­ti­vas e delicadas
    osten­si­va­mente dou­radas,
    a roçar o cas­ta­nho quei­mado
    (aqui podia entrar o fado)
    com aquele módico de ter­nura
    a gema em cima da clara
    sinais exte­ri­o­res de estar a bron­zear
    (aqui entraria o nosso mar)
    rebelde incan­des­cên­cia
    fatia de pão de cen­teio
    (com independência no meio)
    o lixo anda sobrevalorizado
    (neste país adiado)

Os comentários estão fechados.