Malala Yousafzai

Malala é menina de catorze anos que desde os onze é voz das suas pares arredadas do ensino no Norte do Paquistão onde os talibã radicais impõem tradições conservadoras ainda que o exército almeje a segurança.

A menina que desejava ser médica, após exílio forçado de três anos, mudou de ideias: pretende o ativismo político.

Pelas sua força mediática, foi ontem baleada e luta pela vida num hospital de Peshawar. Responsáveis: fanatismos odientos como todos.

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade.
No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria.
Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática com as tags . ligação permanente.

4 respostas a Malala Yousafzai

  1. nanovp diz:

    Não sei se é pior sabermos, incapazes, dos males que se passam ao longe, do que olhar os males que se passam aqui tão perto….

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Ambos maus, ambos dolorosos. E como as palavras se revelam escassas ao escrever sobre eles…

  2. curioso (cá dentrro) diz:

    precisamos de evitar os desperdícios, sem cinismo: há 2 mundos (ou mais)

Os comentários estão fechados.