A saia da Carolina

Não tem prega nem botão

Canto a saia da Carolina desde que me conheço. E ao contrário do que dizem os nostálgicos, cada vez se canta melhor a saia da Carolina. Lembro a letra para que possam fazer coro quando se começar a cantar.

A saia da Carolina
Tem um lagarto pintado
Sim Carolina ó — i — ó — ai
Sim Carolina ó — ai meu bem

Tem cuidado ó Carolina
Que o lagarto dá ao rabo
Sim Carolina ó — i — ó — ai
Sim Carolina ó — ai meu bem

A saia da Carolina
Não tem prega, nem botão
Tem cautela, ó Carolina
Não te caia a saia no chão

A saia da Carolina
Uma barra encarnada
Tem cuidado ó Carolina,
Não fique a saia rasgada

A saia da Carolina
É da mais fina cambraia
Tem cautela ó Carolina
Que o lagarto leva-te a saia

A saia da Carolina
Foi lavada com sabão
Tem cuidado, ó Carolina
Não lhes deixes pôr a mão

É a letra da canção que é bastante sugestiva ou temos de convir que os tempos andam duma maneira que não resta a um homem outra coisa que não seja achar tudo sugestivo?

Esta é uma versão insólita:

Está é mesmo muito boa:

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a A saia da Carolina

  1. De saias, Carolinas e sugestões entendia bem meu querido Gonzaga (cuja vida foi retratada num filme que, logo que ficar disponível, já lhe prometo uma cópia).

    Da saia:
    “Tua saia, Bastiana, termina muito cedo, tua blusa, Bastiana, começa muito tarde
    Mas ela respondeu: Oi, facilita
    Pra dançar o xenhenhém, oi, facilita, pra peneirar o xerém, oi, facilita
    Pra dançar na gafieira, oi, facilita, pra mandar pra lavadeira, oi, facilita
    Pra correr na capoeira, oi, facilita, pra subir no caminhão, oi, facilita”

    Da carolina:

    http://www.youtube.com/watch?v=V6ArtH0FLQ8

    Só fiquei inquieta com uma coisa: épocas há em que uma saia não seja sugestiva?

  2. É o que dá estar online em vez de estar só a corrigir o meu rico Américo que já me está a olhar de esguelha: sabe o que isto me lembrou da primeira à última linha? As photos do Araki, aquelas com o lagarto. Vou-me embora que este post não é flor apesar das mais que lindas pernas da minha menina Monroe. E flores do Araki também não são flores, convenhamos. Que chatice, agora fiquei arakizada e tenho de ir ver o livro.

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Ó mas que linda surpresa. Quer dizer, a Carolina veste a saia e a menina dá-lhe para a japonesice… Ah e não vejo que umas cordas façam mal ao seu Américo.

  3. curioso (tras montano) diz:

    Também vou a jogo, na segunda (primeira?) versão

    A saia da Carolina
    ten un lagarto pintado
    Cando a Carolina baila
    o lagarto dalle ó rabo

    A Carolina é unha tola
    e fai todo o revés
    Vistese pola cabeza
    e vistese polos pes

    Bailaches Carolina,
    bailei si señor
    Dime con que bailaches,
    bailei co meu amor

    O señor cura no baila
    porqu ten unha coroa
    Baile señor cura baile
    que Deus todo llo perdoa

    O zapato pide media,
    a media pide zapato
    Unha rapaziña guapa
    tamen pide un mozo guapo

  4. Manuel S. Fonseca diz:

    Oh yes, já os tinha topado. São muito bons

  5. fernando canhão diz:

    Na Linha de Carolina, a da saia. O Papa Bento XVI confirma a virgindade de Maria, mãe de Cristo, no livro ‘A Infância de Jesus’, mas coloca em causa a existência de um burro e de uma vaca no local (presépio) onde Jesus Cristo nasceu. O livro, colocado ontem à venda no nosso país, já está esgotado no endereço de internet da editora Principia, onde é vendido pelo preço de 10,71 €.
    No terceiro volume que o Papa escreveu sobre a vida de Jesus Cristo, Bento XVI responde “Sim, sem reservas” quando interrogado: “É correcto que Jesus foi concebido por obra e graça do Espírito Santo e nasceu da Virgem Santa Maria?”.
    Esclarece Bento XVI que no sítio onde Jesus Cristo nasceu “não havia animais”, afirmação que retira do presépio (estábulo) as imagens do burro e da vaca.

    E agora, temos Natal ou não temos? E o musgo apanhado no campo no passado sábado, agora que lhe faço, como-o? E prendas dão-se ou não?

    Resumindo, compra-se o livro por 10,71 €, assim que sair a 2ª e 3ª edição, já no prelo, e nada de Natais, sim que só o trio não dá credibilidade à coisa, tanto mais que consta que a Virgem vinha num burro, pois S. José já era velho para alombar com a futura puérpera. E se eu colocar um burro num pequeno lugar de parking feito com giz ao lado das 3 imagens?
    Tenho netos, e custa-me não lhes dar as prendas só por causa da teimosia de um idoso.

  6. fernando canhão diz:

    O que diz faz todo o sentido. Já comprei uma pista de carros do Super Mário e um super Faisca MacLeen telecomandado. E ainda agora comecei. Aos adultos que se entendam com as mães, virgens ou não. Bem haja Don manuel com o seu cuidado. Tramado vai ser agora o outro problema com a Princesa. Deus me dê saude.

  7. Maria do Céu Brojo diz:

    Só quem tiver borracha no olhar não solta risada. A minha voou como devia.

  8. curioso (caso?) diz:

    eu tenho uma ‘borracha’ no olhar (debaixo d’olho) e o caso (caso?) não é p’ra rir: é um caso muita sério (caso?)

Os comentários estão fechados.