A virgem e o unicórnio

“À mon seul désir”

É um animal esquivo, porventura feroz, talvez uma nunca testada besta de força. Capturá-lo roçaria o impossível se não fosse tão pateticamente fácil.

Basta uma virgem e o unicórnio vem, manso, rendido, civilizado. A história conta-se em cinco tapetes, cada tapete um sentido: paladar, audição, visão, olfacto e tacto. Tapete a tapete, entre um miserável leão, um arguto papagaio, o indolente macaco, grinaldas de flores e uma criada, o unicórnio é a besta que se entrega à bela.

Há um sexto tapete, sexto sentido, o do desejo. “À mon seul désir”, em fundo tecido a rubra volúpia, mostra a dama em pé, uma tenda atrás dela a abrir-se em corola, as suplicantes patinhas dianteiras do unicórnio no ar, o altíssimo rígido corno a sair-lhe da fronte, os olhares a cruzarem-se e um já quero lá saber do macaco, leão de boca aberta e criada.

O unicórnio é caprino. Cabra, cabrão. Pô-lo de cavalo acrescenta pouco e diminui-lhe o sexuado dionisismo. Os bestiários medievais eram, nisso, muito mais sugestivos: a barbicha de bode é uma pincelada de mau gosto mas um presságio de perversa excitação: não sou bonito e vai doer, mas creio, madame, que vamos divertir-nos muito.

Cruel, violento, capaz de derrubar um paquiderme, adoça-se quando no caminho lhe surge uma virgem e encosta, julgo que a cabeça, ao seu seio, ou não fosse a castidade uma armadilha, incumprida promessa da perfeição humana.

Cantaram-no, à mon seul désir, Rilke e Lorca, Cocteau, Tennessee Williams e W.B. Yeates.  Em todos, um animal solitário.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

7 respostas a A virgem e o unicórnio

  1. Ivone Costa diz:

    Uma beleza estes bichos dos bestiários, toda uma geografia de símbolos aos quatro ventos.

  2. O uni­cór­nio é a figura do pai:

  3. fernando canhão diz:

    Quodlibet meu caro Manuel, desde que seja à votre seul désir, unicórnios, virgens, leões, a criada, com ou sem dor, enfim o que muito bem lhe aprouver.

  4. Maria do Céu Brojo diz:

    Sexto sentido? Mais do que meia dúzia tenho eu. 🙂

Os comentários estão fechados.