Dançar

Devemos dançar sempre.
Sempre se dançou nos momentos difíceis. A América criou os musicais para responder ao crash da bolsa.
Havia bailes e os soldados dançavam em Inglaterra durante a II Guerra.
Em Angola dançava-se depois do recolher obrigatório durante a guerra civil.
Dançar, dançar com a troika, com a gentil Merkel. Passos loucos de dança com o desemprego, com as falências. Dançar boleros com as hipotecas, rumbas de sindicatos com Gaspar.
Se dançarmos, safamo-nos.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

21 respostas a Dançar

  1. Ora aqui está o melhor conselho que li na blogosfera sobre a crise.

  2. soliplass diz:

    “se dançarmos, safamo-nos”

    Isso assim de repente lembra-me a frase de Juscelino Kubitschek: «Se me virem dançando com mulher feia, é porque a campanha já começou.» A sua (boa) tese, a julgar pelo velho político brasileiro, parece também excelente para crises de votos.

  3. curioso (manda dor) diz:

    O sempre é excessivo, podendo acabar tudo na [email protected] feira… ‘dança, dança, amigo dança…’ com pau liteiros, viras, corridinhos, malhões, canas verdes 😉

  4. Panurgo diz:

    E quem é que mama a gorda?

    • Estimado Panurgo, o primeiro a chegar é o primeiro a servir-se

      • fernando canhão diz:

        Em 94 um amigo, advogado, viu-se a braços com um problema de apenas aparente fácil solução. A família entregou-lhe para manutenção um pai entrevado. Rápido, qual ciclamen, o meu amigo alugou uma cama, com inúmeras manivelas de controlo, e contractou uma empregada, em sua opinião a ser paga pelo pré defunto e quase ex pai. Senhora robusta e capaz. O pré defunto e quase ex pai, ao ver uma quase líder de um pais do norte, foi peremptório – “Ter uma mulher em casa, e não se poder servir dela (por manifesta falta de saúde)”, segundo ele, isentava-o de qualquer pagamento. Um advogado, se é pessoa competente, não brinca com a realidade, a cama foi devolvida, a empregada dismissed (em inglês no texto) e o pré defunto e quase ex pai, deixou de ser tema de conversa. Julgo que faleceu em tempo record. E agora, caro Señor Don Manuel, da maneira viral e implacável, a que já nos habituou a sua sensatez, defina-me rápido, qual ciclamen uma moral para este caso de vida.

        • Fernando,
          Fui ler um poema de Stevenson (que, a meu ver, deveria sempre acompanhar camas articuladas) e nenhum bom e afortunado filho escapa ao destino de enterrar fundo o pai e dançar-lhe alegre e solitário sobre a campa.

          Joying to live, I joyed to die,
          Bury me low and let me lie.

          • fernando canhão diz:

            nobody loses all the time (X)

            i had an uncle named
            Sol who was a born failure and
            nearly everybody said he should have gone
            into vaudeville perhaps because my Uncle Sol could
            sing McCann He Was A Diver on Xmas Eve like Hell Itself which
            may or may not account for the fact that my Uncle

            Sol indulged in that possibly most inexcusable
            of all to use a highfalootin phrase
            luxuries that is or to
            wit farming and be
            it needlessly
            added

            my Uncle Sol’s farm
            failed because the chickens
            ate the vegetables so
            my Uncle Sol had a
            chicken farm till the
            skunks ate the chickens when

            my Uncle Sol
            had a skunk farm but
            the skunks caught cold and
            died so
            my Uncle Sol imitated the
            skunks in a subtle manner

            or by drowning himself in the watertank
            but somebody who’d given my Unde Sol a Victor
            Victrola and records while he lived presented to
            him upon the auspicious occasion of his decease a
            scrumptious not to mention splendiferous funeral with
            tall boys in black gloves and flowers and everything and

            i remember we all cried like the Missouri
            when my Uncle Sol’s coffin lurched because
            somebody pressed a button
            (and down went
            my Uncle
            Sol

            and started a worm farm)

            e e cummings :

  5. Rita V diz:

    Just 4 u once again!

  6. Olha o meu Aznavour a enfiar-se na Bassey, Ó Rita!

  7. Luisa diz:

    Manel, nunca foi grande dançarina, mas acho que desta vez até eu danço!

  8. Maracujá diz:

    Eu danço, caro Manuel!

Os comentários estão fechados.