Desde Paredes, até ao Infinito

Nasceu em Almeirim por alturas no Natal de 66.
Consta que aos sete anos construiu o seu primeiro instrumento musical, que aos treze lhe deram a primeira guitarra acústica – tendo mais tarde integrado grupúsculos de música popular portuguesa e até bandas rock.
É óbvio que Custódio Castelo é conhecidíssimo: acompanhou fadistas de renome (até a Amália!) e artistas como Maria Bethânia, mas eu só hoje tomei nota da sua existência – concretamente numa entrevista do Carlos Vaz Marques na TSF, que apanhei já a meio.
Depois do parlapié, onde fiquei a saber que tinha electrificado uma guitarra portuguesa para horror de Carlos Paredes, de quem é devoto a meu lado, veio a música.
E mais uma vez, inocente como um soldado de chumbo nas imediações de forte braseiro, senti esse irremediável orgulho de ser português.

Sobre António Eça de Queiroz

Estou em crer que comecei a pensar tarde, lá para os 14 anos, quando levei um tiro exactamente entre os olhos. Sei que iniciei a minha emancipação total já aos 16, depois de ter sido expulso de um colégio Beneditino sob a acusação – correcta – de ser o instigador dum concurso de traques ocorrido no salão de estudo. E assim cheguei à idade adulta, com uma guerra civil no lombo e a certeza de que para um homem se perder não é absolutamente necessário andar encontrado. Tenho um horror visceral às pessoas ditas importantes e uma pena infinita das que se dizem muito sérias. Reajo mal a conselhos – embora ceda a alguns –, tenho o vício dos profetas e sou grande apreciador de lampreia à bordalesa e de boa ficção científica.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

9 respostas a Desde Paredes, até ao Infinito

  1. Fiquei encantada. Parece que (nos) acontece a todos 😉

  2. nanovp diz:

    MAravilhoso , com um certo sabor a orgulho português como bem refere, e que tanta falta nos faz….

  3. A huitarra é um castelo…

  4. Maria do Céu Brojo diz:

    E se for somada a guitarra coimbrã? Dobra a honra e o orgulho por via delas.

  5. maria leao diz:

    encantada, será sempre pouco …. muito mais que isso

Os comentários estão fechados.