Aviso: é só ressaca de alma pingona

Nada de original. O dia 26 de Dezembro é propício a subir ao sótão, sacudir o pó e abrir o baú das memórias. Dar conta que faltaram pingentes de gelo sobrando dos granitos feitos muros, frialdades de estalar ossos, que o hoje é feito dos muitos que partiram, das irmãs matriarcas cuja idade fragilizou. Ressaca de tanto amor ido deixando cadeiras vagas frente à mesa?

_ Sim.

_ Não.

As novas gerações encarregam-se de as ocupar e serem precisas mais.

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade.
No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria.
Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

9 respostas a Aviso: é só ressaca de alma pingona

  1. Ivone Costa diz:

    A alma pinga muito, lá isso é verdade, Maria.

  2. Maria do Céu Brojo diz:

    Se pinga e quem a atura que aguente.

  3. curioso (rio corrente) diz:

    ressaca é poesia… poesia é ressaca.

    as cadeiras poderão ser reocupadas mas as faltas não. como as águas do rio.

  4. Rita V diz:

    Sim!
    e dos amigos tb

  5. Marias, depois de cada Inverno, uma nova Primavera

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Mas se eu quero fruir deste Inverno por doloroso que seja…
      Talvez o último, com sorte não.

Os comentários estão fechados.