Estar com os azuis

Lendo o texto do Henrique lembrei-me que a tradução literal de “feeling blue” é uma expressão óptima para definir o meu estado de alma durante a quadra natalícia; e que é também a quadra do frio, da pouca luz, da família toda de uma vez, do (inevitável) refluxo gástrico, da mensagem de Natal do PR, dos anúncios todos iguais com parvos pais Natal e das árvores de plástico a piscar. Tudo coisas que me põem cá c’uns azuis!

Sobre Pedro Bidarra

As pessoas vêm sempre de algum sítio. Eu vim dos Olivais-Sul, uma experiência arquitecto-sociológica que visava misturar todas as classes sociais para a elevação das mais baixas e que acabou por nos nivelar a todos pelo mais divertido. Venho também da Faculdade de Psicologia da clássica, Universidade Clássica de Lisboa onde li e estudei Psicologia Social e todas as suas mui práticas teorias. Venho do Instituto Gregoriano de Lisboa onde estudei os segredos da mais matemática, e por isso a mais emocional e intangível de todas as artes, a música. E venho sobretudo de casa: de casa das duas pessoas mais decentes que até hoje encontrei; e de casa dos amigos que me ajudaram a ser quem sou. Estes foram os sítios de onde parti. Como diz o poeta (eu):
“Para onde vou não sei/ Mas vim aqui parar/ A este triste lugar.”

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

12 respostas a Estar com os azuis

  1. Henrique Monteiro diz:

    Eu também me sinto sempre azul no Natal…

  2. Henrique, Pedro, não resisto. Há uma solução: vistam-se de Pais Natal and you’ll start feeling red. SLB forever.

    • Panurgo diz:

      Impraticável. Não há Pais Natal que cheguem para 6 milhões de renas.

      • Pedro Bidarra diz:

        Isso nunca. Vestir-me de velho e sentar criançinhas no colo não é para mim.

        ps: pronto, pronto, eu corrigo o erro, mas gostava da rima popular “pais natais iguais

  3. a.riès diz:

    interessante esse feeling. Ando, ha anos, à procura de rever (video, dvd?) uma reportagem passada num dos canais franceses, ha 20 anos ha mais?, onde a Marguerite Yourcenar falava sobre esse feeling blue. Nao desisto.

    • Pedro Bidarra diz:

      Eu tenho quase a certeza que é biológico, tem que ver com o frio e, sobretudo, a falta de luz. A tristeza deve ter ser a nossa natureza a mandar-nos para a cama, recolher que não é altura de andar na rua.

  4. celeste ceboleiro diz:

    eu por mim,nesta época, quando saio do azul, é para passar …para verde!

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    E logo eu que oscilo com a alegria dum badalo na torre cimeira de igreja.

    • Pedro Bidarra diz:

      “Oscilar com a alegria de um badalo” é muito bom, Maria do Céu. Já animei, já animei. Vou sair da cama então

  6. Ana Rita Seabra diz:

    I’m feeling blue too 🙁

Os comentários estão fechados.