Já Van Gogh apanhara os caranguejos que um dia me fugiram

caranguejos de van gogh

Lembrei aqui os caranguejos que há anos me fugiram, numa manhã de pescaria tropical. Não admira. Estavam ensinados. Descobri que um dia os apanhou um pintor holandês. E não é impossível que já tivessem passado por crivo humano em águas do Pacífico, na costa japonesa.

É verdade. Pouco depois de ter cortado a orelha, conforme carta que escreveu a Theo, seu irmão, Vincent Van Gogh pintou os dois caranguejos que acima se exibem. Esta natureza morta pertence a uma colecção privada e raramente tem sido vista – sabe-se que estiveram, faz mais de dois anos, expostos na National Gallery, donde fugiram, como em Luanda me fugiram a mim.

caranguejos de katsushika hokusai

É provável que Vincent se tenha inspirado em reproduções do japonês Katsushika Hokusai que Theo lhe tinha enviado numa edição da revista “Le Japon Artistique”. Também é provável que os dois caranguejos sejam apenas um, pintado na mesma tela direito e de pernas para o ar. Não conhecia e gosto, de boca aberta até que entre mosca, das vigorosas pinceladas que oferecem um mar inteiro, dramático, tempestuoso, ao heterotópico crustáceo.

Cada um dá o mar que pode, mas não creio que os meus caranguejos se possam queixar do largo e preguiçoso mar que generosamente também eu lhes dei. Foi de boa vontade.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

7 respostas a Já Van Gogh apanhara os caranguejos que um dia me fugiram

  1. E quem dá o que tem a mais não é obrigado. 🙂

  2. curioso (eco lógico) diz:

    mas quando o dar é devolver sem querer… a que é que se devia ficar obrigado? a trabalho cívico, a favor da sociedade, eco logica mente falando 😉

  3. Maria João Freitas diz:

    Manuel,
    Talvez não tenham sido os que lhe fugiram, mas os dois, mais preguiçosos que o pequeno Manuel, que lhe ficaram nas redes. Se a história contada ali é maravilhosa, esta continuação é surpreendente de artística.

  4. nanovp diz:

    Manuel tenha cá um sentimento que os caranguejos são os mesmos, preservados na água e na tela, e agora no texto…pode-se dizer que são caranguejos com História.

Os comentários estão fechados.