New Year´s Eve para enganar a autoridade

Nunca digam que fui eu que vos ensinei isto. Mas se, por um azar desses que a qualquer um pode acontecer pelo menos uma vez na vida, uma operação stop vos apanhar desprevenidos e acusarem excesso de álcool – um ligeiro excesso para além dos limites, nada de exageros – com a mão ao volante, tentem o truque: que se deixaram levar pela voz de bagaço do Tom Waits. Não garanto resultados mas as que as probabilidades de vos deixarem ir em paz aumentam, isso é um facto. Qualquer álbum, qualquer canção, servem para o efeito. Mas, se a coisa acontecer esta noite ou noutra véspera de Ano Novo, nada como dizerem, com a inocência toda de que forem capazes, que andaram a ouvir este New Year´s Eve pela noite fora(e convém tê-lo no leitor do carro, não vá a autoridade achar que se trata de manobra enganosa). É  caso para dizer que, se isto não serve como causa de exclusão de responsabilidade (ou, no mínimo, como circunstância atenuante), que mais poderá servir? Eu, cá para mim, que apesar de triste sou optimista, desconfio que ainda vão acabar a bater-vos palmas. Bom ano a todos.

Sobre Diogo Leote

Longe vão os tempos em que me divertia a virar costas a senhoras que não gostavam de Woody Allen. Mas os preconceitos de então ficaram-me. O de preferir as vozes sofridas e os gritos de raiva, ou os sons negros e abafados, ao fogo-de-artifício dos refrões fáceis. O de só admitir happy ends em situações excepcionais, quase sempre em histórias de amor em que ninguém apostaria um cêntimo. O de não procurar encontrar explicação para os desígnios insondáveis da sedução ou para tudo o que não é dito, que é quase tudo, na grande arte. E continuo com esta mania de andar atrás da tristeza. Dizem os psicólogos que isso é um privilégio dos que não a têm no seu código genético. Eu não os desminto. A verdade é que, se não embirrasse tanto com a palavra “feliz”, até a usaria para exprimir o prazer que sinto ao escrever sobre almas abandonadas ou corações destroçados. Ainda bem que escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

8 respostas a New Year´s Eve para enganar a autoridade

  1. uma musiquinha BOAAAAAAAAA!
    ( até que enfim)
    ah ah ah

  2. Cuidado com o álcool, Rita! Bom Ano!

  3. Diogo, todo o Tom Waits aumenta a carga alcoólica. É um facto da vida. E venha de lá a polícia…

  4. Manuel, depois dos copos de ontem, já estou outra vez com vontade de álcool. Só para ouvir o Tom Waits, claro.

  5. nanovp diz:

    Remédio santo para a ressaca…grande Waits…

  6. Bernardo, não sei se será o antídoto adequado para o dia de ressaca. É que aquela voz parece que está sempre ali a tentar-nos para mais um copo. E há quem diga que mesmo os abstémicos se deixam levar.

  7. Maria do Céu Brojo diz:

    Palmas muitas. O que me ri…
    Merci para rima.

  8. Pois é Maria, o Tom Waits é muito ecléctico nas reacções que provoca: tanto faz beber, como chorar, como rir.

Os comentários estão fechados.