O Natal vem de bicicleta

 

picture-of-henry-thomas-in-e-t-the-extra-terrestrial-large-picture

Uma das bicicletas trazia uma surpresa, espécie de centauro

O Natal é uma bicicleta e um par de patins. Foi assim que, pela primeira vez, fomos ver os “malucos”. Um bando de putos de bicicleta e um deles, mania da originalidade, com um belo par de patins. Os malucos eram uns soldados a quem o mato, a tensa espera dos tiros que nunca mais vinham, dera cabo da cabeça em Angola. Tinham, dizia-se, cacimbado. Havia quem insinuasse que fingiam, mas logo no primeiro Natal em que os visitámos, vi que tinham, no olhar, no ritmo das conversas, um grão que riscava o vidro.

Lembrei-me agora porque foi esse bando de bicicletas que vi quando vi o mais natalício dos filmes, o “E.T.”. Também nós percorríamos as ruas a uma velocidade vertiginosa. Uma das bicicletas tinha essa surpresa de arrastar atrás um miúdo de patins, formando o todo uma espécie de centauro, torso de ciclista, corpo de patinador, que mesmo a Spielberg pareceria inverosímil.

Bem sei que há outros Natais no cinema. O mais cínico de todos inventou-o Billy Wilder, em “Stalag 17”, quando pôs Otto Preminger, na pele de comandante de um campo de concentração nazi, a dirigir-se aos prisioneiros americanos com este mimo: “Que tempo mais chato, este! E eu, que queria tanto dar-vos um Natal de neve, como aqueles a que vocês estavam habituados!

stalag17

O dia em que o Natal caiu na lama

Não sei se haveria uma ponta de cinismo adolescente na primeira visita que fizemos aos soldados cacimbados. E já estou a pensar em “It’s a Wonderful Life”, do siciliano Frank Capra. É dia de Natal e Jimmy Stewart, face a uma situação parecida com a nossa miserável crise económica, decide suicidar-se. Quem manda, se alguém manda, faz descer do Céu à Terra um anjo para restaurar a fé de Jimmy Stewart na vida. É recebido com os pés: “Você é mesmo o género de anjo que havia de me tocar. Uma espécie de anjo caído, não é? O que é que lhe aconteceu às asas?

its-a-wonderful-life

Um anjo caído, não é?

À medida que fomos visitando a casa dos nossos malucos percebemos que fôramos, nessa primeira visita de Natal, uns anjos sem asas, tão parvos e desajeitados como Clarence, o anjo do filme de Capra, que volta a juntar Stewart à família num final que é um dos mais felizes “milagres” de toda a história do cinema. O milagre daqueles miúdos destrambelhados foi o de terem conseguido que os soldados se organizassem e fossem autorizados a vir disputar com eles um jogo de futebol que ficou histórico. Confesso que fiquei a acreditar em anjos, mas só em anjos sem asas, anjos de bicicleta que levam com eles, atrelado, um miúdo de patins.

Anjos desses têm sido vistos em filmes. Quem é que não viu e ouviu a harmonia das esferas nos “Encontros Imediatos” ou anjos e querubins a pedalar por céu e nuvens nas bicicletas de “E.T.”, filmes feitos só de luz por um cineasta que deve ter sido abandonado por Santa Claus no sapatinho de Hollywood?

close encounters

feito só de luz e só de luz feito

Publicado  no Expresso, sábado, 22 de Dezembro 

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

8 respostas a O Natal vem de bicicleta

  1. nanovp diz:

    Cinema é Natal, Natal é também no cinema, seja de bicicleta ou não…

  2. Maracujá diz:

    Belíssimo texto, Bom Natal. E se tivesse que passar este natal numa sala de cinema, que filme escolheria ver? Vá lá, tem direito a 2. Quais seriam?

    • Olá desaparecida Maracujá (não sabia que Maracujá era fruta de estação…),
      vou dizer-lhe. Hoje queria ver o último filme do Malick, com o Ben Afleck. Cheirei o o trailer e já estou a gostar mesmo antes de ver. Ah, e ontem revi o Singin’in the Rain…

Os comentários estão fechados.