Os ursos têm a resposta

Ursus americanos

Deambulando pelos livros e pelos media, na procura de respostas para os grandes mistérios da vida, do universo e tudo o mais (Deus existe? Haverá vida depois da morte? Qual o destino do universo? Porquê um Passos Coelho?) dei de caras com uns textos sobre ursos. Um estudo da Universidade do Alasca sobre o ursus americanus. Aparentemente esta espécie tem estratégias de hibernação fantásticas que podem vir a ajudar-nos a superar as longas viagens interestelares que inevitavelmente faremos se isto tudo não acabar no dia 21 conforme está previsto.

O ursus americanus, também conhecido por urso preto, hiberna cerca de meio ano diminuindo a sua actividade metabólica. Durante este tempo não come, não bebe, não defeca nem urina. A sua respiração diminui drasticamente e a sua temperatura é gerida entre os 36 e os 30 graus celsius; quando desce aos 30˚os músculos do urso começam a tremer até a temperatura chegar de novo aos 36˚. Entretanto, durante estes meses, o batimento cardíaco desce das 50 bat/m para 15 bat/m. De quando em quando o urso levanta-se, para ajeitar a “casa”, e logo volta a deitar-se e a dormir. (Que inveja me dá).

O mais curioso, no entanto, é que, ao contrário de outras espécies dadas à hibernação, o ursus americanus, ao fim dos muitos meses de soneca e embora mais magro, não perde nenhuma da sua massa muscular, acordando de novo para o mundo preparado para tudo. Exactamente ao contrário do que se passa connosco, humanos, a quem basta uma ou duas semanitas de cama para logo ficarmos com palitos por pernas e braços. E é isso que intriga os cientistas que pensam que, se conseguirmos entender e controlar os processos moleculares subjacentes a esta estratégia biológica, conseguiremos hibernar pessoas e prepará-las para as longas viagens espaciais.

Fiz logo uma lista. Uma lista de pessoas para mandar (emigrar) para o espaço, como cobaias. Excedentes. Na verdade não são bem pessoas, são ursos. É o chamado ursus lusitanus. Uma espécie que no inverno não hiberna, come, bebe e defeca tudo à sua volta.

Eu por mim hibernava já. Em vez de emigrar, como estratégia de sobrevivência, eu, se pudesse, reduzia o metabolismo, hibernava e acordava lá para 2020 que é quando o Inverno está previsto acabar.

Sobre Pedro Bidarra

As pessoas vêm sempre de algum sítio. Eu vim dos Olivais-Sul, uma experiência arquitecto-sociológica que visava misturar todas as classes sociais para a elevação das mais baixas e que acabou por nos nivelar a todos pelo mais divertido. Venho também da Faculdade de Psicologia da clássica, Universidade Clássica de Lisboa onde li e estudei Psicologia Social e todas as suas mui práticas teorias. Venho do Instituto Gregoriano de Lisboa onde estudei os segredos da mais matemática, e por isso a mais emocional e intangível de todas as artes, a música. E venho sobretudo de casa: de casa das duas pessoas mais decentes que até hoje encontrei; e de casa dos amigos que me ajudaram a ser quem sou. Estes foram os sítios de onde parti. Como diz o poeta (eu): “Para onde vou não sei/ Mas vim aqui parar/ A este triste lugar.”
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

18 respostas a Os ursos têm a resposta

  1. Vasco (da) Gama diz:

    Eu gostava de fazer um pedido, não me inclua nessas listas, que ainda me falta gozar o resto do dia, o dia de amanhã, o depois de amanhã, o dia depois de depois de amanhã (e por aí fora …), depois logo se vê, mas quero gozar estes dias que ainda tenho à minha disposição, e, para mais, sabe-se lá quando é que o mundo acaba, vá-se lá saber se a NASA se esquece de avisar que afinal o mundo não acaba, como desta vez com o calendário Maia, sabe-se lá, se da próxima vez, se esquecem e o mundo acaba mesmo. Aí, essas pessoas estarão a hibernar e vão perder tudo. Imagine a excitação que deve ser um fim do mundo, deve ser uma coisa inesquecível. Os ursos também são muito tristes.

  2. Curioso (retórico) diz:

    E eu pensava ser o mais curioso… não devo é ser lusit anus… fico de fora mas vou treinar para resistir à defecação em curso (negra e bruta)

  3. p diz:

    tinha saudades do urso

  4. Henrique Monteiro diz:

    Ministério das piadas parvas – a mim, quando me dizem Hiberna! eu dá-me vontade de Higenève ou Hibasileia! Prontos!!!!

  5. Manuel S. Fonseca diz:

    Pedro, palpita-me que o segredo está no pêlo.´Para se hibernar assim é preciso ter muito pêlo. Lustroso e preto.

  6. nanovp diz:

    O hibernar até pode ser sedutor Pedro, mas tenho algum medo da ressaca do acordar…

  7. curioso (hor monal) diz:

    só perde peso, mantendo a massa muscular. a leptina tira-lhe o apetite.

  8. Maria do Céu Brojo diz:

    Somente não subscrevo esta: “Eu por mim hiber­nava já. Em vez de emigrar, como estratégia de sobrevivência, eu, se pudesse, reduzia o metabolismo, hibernava e acordava lá para 2020 que é quando o Inverno está previsto acabar.”
    Adoro o Inverno. Mesmo.

Os comentários estão fechados.