Pagã triste

Tudo o que faz barulho é desagradável. Algumas exuberâncias, então, é de fugir-lhes antes que uma  vulgaridade de esgares simiescos desfeie os dias. Felizmente, consigo manter-me ao abrigo de vozes desagradáveis. As pessoas que me dão atenção e companhia cultivam uma tristeza elegante, têm dedos melancólicos e não acreditam em nada para além da beleza segura de alguns livros, de alguns quadros, de alguns filmes. O resto é um rio, por isso me quero com flores no regaço.

Sobre Ivone Mendes da Silva

Entre lobos e anjos me habituei a escrever. É talvez por isso que, para além de asas e de uivos, as palavras me tropecem e não encontrem sozinhas o caminho das folhas. Nessas alturas, peço para elas a bênção da tristeza, musa de sopro persistente, que triste me faz e a acolhedoras mesas me senta.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

9 respostas a Pagã triste

  1. Rita V. diz:

    … de alguns desenhos … já agora … eh eh eh!

  2. curioso (lacri mejante) diz:

    tão entristecedor… apetece lacri mejar tão bem 🙁

  3. Bom abrigo Ivone, e logo ao pé do rio.

  4. nanovp diz:

    Nesse rio cabe todo um mundo Ivone

Os comentários estão fechados.