Reflexão kota

Não, o mundo não está pior. Nós é que o vamos compreendendo melhor.

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

7 respostas a Reflexão kota

  1. curioso (até quando) diz:

    então, paremos de nos queixar… quanto pior, melhor o iremos compreendendo…back to basics 🙁

  2. Henrique Monteiro diz:

    E não me queixo mesmo! Ou melhor, queixo-me, mas sei que sou inconsequente e incoerente

  3. Jorge Correia diz:

    Não acredito na democracia deste nosso Portugal. Pois as leis foram feitas por aqueles que não as cumprem, os políticos, que se acham e estão acima delas.
    Uma revolução sem sangue, não é revolução.

  4. GRocha diz:

    Henrique: … ou talvez não! Se o compreendessemos melhor, o mundo estava muito melhor! Estava mais Verde, mais Saudável, mais Humano!

  5. Compreender o mundo significa compreender-me a mim mesmo. Ora o que vejo é que estou cada vez pior: mais velho, impaciente, desmemoriado, já faço check-up anual e, horror, tornou-se benigna e lícita a relação entre sono e cama. Porra, Henrique, como é que te atreves a dizer que o mundo não está pior?

    • Henrique Monteiro diz:

      Estás a ver, Manuel, conheces agora o mundo. Sempre foi assim, tirando o check-up anual todos os nossos antepassados, salvo os mortos prematuramente, passaram por isso. Aprender a morrer é isso… O mundo parece-nos pior, mas não é!
      E outra coisa: eu atrevo-me a tudo! Sou quase irresponsável!

  6. nanovp diz:

    Pois, mas há que não levar muito a sério a compreensão que temos desse mundo…

Os comentários estão fechados.