Silogismo doente

Achar que crescimento e desenvolvimento são mais ou menos a mesma coisa, é como confundir priapismo com fertilidade.
Há quem confunda.

Sobre António Eça de Queiroz

Estou em crer que comecei a pensar tarde, lá para os 14 anos, quando levei um tiro exactamente entre os olhos. Sei que iniciei a minha emancipação total já aos 16, depois de ter sido expulso de um colégio Beneditino sob a acusação – correcta – de ser o instigador dum concurso de traques ocorrido no salão de estudo. E assim cheguei à idade adulta, com uma guerra civil no lombo e a certeza de que para um homem se perder não é absolutamente necessário andar encontrado. Tenho um horror visceral às pessoas ditas importantes e uma pena infinita das que se dizem muito sérias. Reajo mal a conselhos – embora ceda a alguns –, tenho o vício dos profetas e sou grande apreciador de lampreia à bordalesa e de boa ficção científica.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

9 respostas a Silogismo doente

  1. Minhona diz:

    Quem? O nosso desgoverno ou D. Diniz o Povoador ? Será que lhe doía???

  2. António, nós aqui no nosso burgo não corremos esse risco agora porque não temos nem uma coisa nem outra. Mas, de facto, houve muitos anos de priapismo que nem uma gota de sémen para o futuro produziram. O problema, claro, foi o mesmo de sempre: diagnóstico errado.

  3. Maria do Céu Brojo diz:

    E de confusões vivemos ignorando que o são. Ou até sabemos e fingimos que não. É mais cómodo porque fartos de sarilhos estamos até à ponta maior do cabelo.

  4. curioso (des esperando) diz:

    pois não posso confundir: nunca tropecei no pria pismo e o que mais se me ocorre é pia e muitos ismos… fertilidade também já teve tempos melhores (agora anda mais pelos bancos, que não de esperma mas de esprema)… agora crescimento e/ou (des)envolvimento é mais retórica e menos obra.

    e podemos recordar o velho Eça, que ficou para a história por muito (e bem) ter bradado 😉

    “Eça traça a caricatura da avidez do saber presente no homem teórico ocidental. O seu desejo de saber não é já a de um Fausto, que pactua com o diabo para alcançar o conhecimento, mas só a necessidade de acumular livros, alimentar uma gigantesca e sempre actualizada biblioteca, onde se pode encontrar tudo o que as ciências e a filosofia produzem.” in JCM

  5. Henrique Monteiro diz:

    Caro, a tua comparação é um pouco dolorosa. Há que ter compaixão do priapismo…

  6. curioso (reto rico) diz:

    achar… achariam. o problema é que, por este (des)andar, não vão achar nada: nem cresce nem (des)envolve… é uma nega, profundamente espiralada.

  7. Hello António, ui que às vezes já bem pensamos que um crescimento priápico é um belo desenvolvimento.

  8. nanovp diz:

    A ilusão da aparência caro António….

Os comentários estão fechados.