Cosmogonia pagã

Nos complexos universos borgianos, por cada eu que fala há um eu calado; por cada eu que trabalha há um eu que descansa; por cada eu que se aborrece há um eu que se diverte; por cada eu cruel há um eu bondoso. E do ponto de vista de Deus, tão distante, tão alto, tão elevado, os dois são um, porque Deus só criou um homem onde estavam todos os homens, só criou um mundo onde estavam todos os mundos e só criou um nada onde estava tudo. Pensem nisto

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom.
Sem nunca me levar a sério – no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom
(e barato).

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

11 respostas a Cosmogonia pagã

  1. Maria do Céu Brojo diz:

    Lamento, mas nesta leitura nada tenho para acrescento a não ser ‘Perfeito!’

  2. No universo de Herman Hesse também – o Borges não valorizava HH, o que é interessante. Quem pensou nisto lindamente foi a alquimia, o tio Jung e nossa excelente Yvette Centeno.

  3. Rita V. diz:

    Não sei se é para pensar muito, gostei . . .

  4. nanovp diz:

    Um, indissociável.

  5. curioso (górdio) diz:

    não há dois. nem há um. há sempre muitos. e o nada não existe nem podia ser criado. nem adianta pensar nisto que não nos diz respeito. é masturbação intelectual. pensemos no humano. no que pode ser sustentado, que depende de nós (que ainda tem muitos nós e entrenós, alguns aparentemente górdios), que tem de ser feito e não apenas glosado. ai Eça…

  6. A sempre presente dicotomia…

  7. Vi recentemente o Testament d’Orphée, num dvd que recomendo.
    Aí também estão o Um e o Todo da criação poética, com um gostinho francês no sentido de humor com que é tratada.
    Cocteau, modestamente afirma, “Orfeu sou eu”…..

  8. luis António matoso ventura Martins diz:

    Merco aussi !! Formidable

Os comentários estão fechados.