Definição de saudade

Jorgensen

Jorgensen

Emotiva, não resisto a publicar também aqui o, há pouco, dado à luz noutra «chaminé». Nada tem de erudito como devia – tão somente pedaço da vida.

O hábito de madrugar tem, além das vantagens conhecidas, o benefício de ouvir na estação de rádio preferida, TSF no caso, algumas notícias não repetidas depois. Como se ouvintes matutinos merecessem brinde. Como se quem acede à sintonia mais tarde fosse vítima predileta de lembretes sobre a ruína da nação. Ora, porque tamanhas desgraças são quotidianos duros de roer, já bondam repetições de meia em meia hora. É de entender a opção predominante nos taxistas pela Rádio Amália – tristes sinas em modo fadista são mais fáceis de digerir, aliviam o «anda, não anda» e a escassez de clientes. Sempre lembram dias mais animados pela inconsciência da dimensão da rataria que havia de conduzir à ratoeira atual que trilha cidadãos sem queijo à vista.

Do ouvido no amanhecer dos nacionais, destaque para história breve. Reza assim: jovem médico em estágio de oncologia peregrinava pelas enfermarias. Vê menina só. Mudando a hora da visita, o mesmo. Intrigado, entabula diálogo com a criança.

_ Porque estás sempre sozinha? Não tens visitas.

_ Tenho, pois. Todo os dias a minha mãe está aqui.

_ Então porque nunca calhou vê-la?

_ É que quando está muito triste vai para o corredor chorar. Não me diz, mas eu sei.

_ Porque chora tanto?

_ Pela minha morte, pela saudade que vai ter.

_ Receias a morte?

_ Não. Quando morrer, sei que a minha mãe gostou muito de mim. Vamos ter saudades as duas. Como nos amamos tanto, a saudade é maior. Saudade é a tristeza por já não termos aquilo de que gostámos.

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade. No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria. Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

16 respostas a Definição de saudade

  1. António Barreto* diz:

    Comento sim,…silenciosamente; tristemente alegre. (com sua licença, publico na minha pobre tabanca)

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Alegremo-nos por amores assim. Pela sabedoria duma criança. Pela definição de saudade, a mais bonita que já li ou ouvi. Que a sua ótima ‘tabanca’ reproduza é uma honra. Obrigada.

  2. Vasco (da) Gama diz:

    a história é muito bonita (deixa-me sem palavras e apenas posso acrescentar um agradecimento).

  3. Ninguém saberia definir tão bem saudade. Só quem tem saudade da vida que se esvai pode ter saudade da vida que foi. Gostei muito de ler a historia de tão grande amor, tão triste e tão bonita. Obrigada

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Se alguém tem de agradecer sou eu, querida Celeste, por palavras tão certas como estas: “Ninguém saberia definir tão bem saudade. Só quem tem saudade da vida que se esvai pode ter saudade da vida que foi.”

  4. riVta diz:

    temos que fazer caber num perqueno armarinho o que julgamos deixar de ter e que não queremos perder

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Sigo à risca o seu conselho. Infelizmente, desde cedo demais. Continuo a proteger esse armarinho esperando que não se dilate.

  5. Um corredor de saudade

  6. cc diz:

    Ainda bem que há crianças para dizer estas coisas, a maior parte dos adultos já não é capaz de o dizer com esta beleza.
    ~CC~

    • Maria do Céu Brojo diz:

      É isso mesmo. Os adultos elaboram demasiado os sentimentos e as palavras que os exprimem. Talvez somente aqueles a quem chamamos loucos sejam capazes de equiparar a pureza infantil. Também por esta convicção, os respeito tanto.

  7. Teresa Conceição diz:

    Dito assim é tão bonito. E tão triste. De tanto crescermos perdemos a coragem e simplicidade das palavras: Já não sabemos ou evitamos definições. Parece que são as palavras ditas e sentidas pela primeira vez que nos devolvem o choque do sentimento.
    Obrigada por esta história, Céu.

    • Maria do Céu Brojo diz:

      As empatias, se não existissem já, também crescem através de sentires idênticos, querida Teresa Conceição.

Os comentários estão fechados.