Mínimas – iv

Fui ao hospital. De visita. Rápida. Agorinha mesmo. As televisões que pendem das paredes estão invariavelmente nos canais rtp, sic, tvi. Entro na sala errada: sic-notícias. Espanto-me. Em nota de rodapé leio: ponte romântica restaurada em Ponte de Lima. O rodapé é hiper-cinético. Na volta seguinte confirmo: ponte romântica. À terceira desiludem-me: ponte românica restaurada em Ponte de Lima. Lixem-se: pontes românicas restauradas há uma fartura delas, agora uma ponte romântica restaurada é trabalho de ourives e notícia de abertura de jornal.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática com as tags . ligação permanente.

18 respostas a Mínimas – iv

  1. Henrique Monteiro diz:

    Deve ter sido algum jornalista licenciado em Línguas e Literaturas Românticas, o que não deixa de ser um curso com muito apelo

  2. Ivone Costa diz:

    Já me ri, Eugénia, não de si, claro, mas do quem tal escreveu. Veja o lado bom da coisa: começando em romã deu-lhe logo para romântico, alguma coisa há-de querer significar.

  3. Rita V. diz:

    Loved it!
    ( eu a julgar que já dominava o iPad tive que escrever ‘Loved it’ três vezes mas o iPad insistia em escrever Lopes itã! … diacho de coisa. Agora tenho a certeza que o repórter também tem um IPad mas doutra geração … Ah ah ah )
    http://interata.squarespace.com/jornal-de-viagem/2009/6/2/paris-ponte-alexandre-iii-romantica-e-caprichosa.html

    • Há humor nesse aipede! E as pontes estão cheias de romance, não só essa onde ainda há pouquíssimo passei e me plasmei à Jack Nicholson à espera da Diane Keaton – mas qual o quê, o diabo da Diane não apareceu – e nas vizinhas carregadíssimas de cadeados amorosos.

    • curioso (pirata) diz:

      Bela ponte! Sinto-me responsável pelo link… e não fui eu que o coloquei aqui.

  4. Realmente, que desfeita!
    (não há nenhuma ponte por cá que se possa chamar de «romântica», ou todas as pontes são românticas e-não-se-fala-mais-nisso? Criei uma dúvida! Bestial!)

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    “Ele há coisas!” Mas quem sou eu para lançar pedras se já por aqui escrevi ‘espetadores’ por ‘espectadores’…

  6. Pedro Bidarra diz:

    Restaurar uma ponte romântica será reatar uma amor antigo? Lembrou da Frida Khalo e do Diego Rivera que casaram, descasaram e voltaram a casa e que tinham duas casas, dois estúdios independentes, ligados por uma ponte.

    p.s. Está tudo bem consigo? De saúde?

    • Claro, daí a ourivesaria que seria requerida. E lembrei logo! Tenho essa casa dentro da cabeça desde a primeira vez em que a vi.

      Ps: sim, sempre, merci – tenho é um vício de vitaminas e suplementos afins, uma espécie de hiponcondria pelo avesso, mania da saúde, um horror.

  7. nanovp diz:

    Uma ponte “romãntica” “românica” foi construída por um romano apaixonado.

Os comentários estão fechados.