Na Morte de Oshima

Nagisa Oshima in 1978

Tenho com Nagisa Oshima uma cumplicidade criminosa. Ele realizou “O Império dos Sentidos”. Eu fui o seu humilde instrumento (salvo seja) quando, em 1991, programei pedagogicamente esse filme na RTP2 –  numa noite de sábado, lembrou-me o António José Martins que tanto fez e espero que continue a fazer pela programação do cinema nas RTPês todas.

No dia seguinte, estava em Berlim a cobrir o Festival de Cinema para o Expresso, choveram telefonemas de Lisboa no meu hotel alemão. Nenhum era, valha a verdade, do então Bispo de Braga a quem, verdadeiramente, se deve toda a notoriedade do evento: “Aprendi mais numa noite do que em toda a minha vida” foi a feliz expressão com que resumiu a sua ousada incursão cinéfila.

Disseram-me então, o Oliveira Pinto, que dirigia o departamento, e o Adriano Cerqueira, que era o director de canal, que tínhamos ultrapassado a RTP1 (ainda não havia SIC e muito menos TVI). Foi a primeira vez que ouvi falar de audiências, eu que programara para meia-dúzia de moscas mortas Ozu, Wenders e afins. Nunca mais me esqueci.

 

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Na Morte de Oshima

  1. Manuel Fonseca, isto é superior às suas forças e insiste em chamar-lhe pedagogia! Agora põe-me o blog todo em sem vergonhice japonesa: uma pessoa quer trazer aqui, sei lá, uma tia velha ou assim e não pode, fica logo a saber que ela também viu o filme e lá se vai o anjo da anunciação à viola!

    Ps: uma das moscas era eu: merci pela esmerada deseducação, senhor programador.

  2. Maria do Céu Brojo diz:

    Essas moscas mortas, o Wim Wenders em particular, eram borboletas para mim. Deslumbre viria a ser o road movie Paris Texas escrito pelo meu querido Sam Shepard e com a fabulosa Nastassja Kinski. Que será feito daquela perfeição em forma de mulher?

  3. Borboletas nos Olhos diz:

    Pergunta a Maria do Céu, respondo com o que achei: http://www.dn.pt/inicio/pessoas/interior.aspx?content_id=2988522

  4. Estou com a Eugénia: qual pedagogia, qual carapuça. Aposto que ficaste com um sorriso de gato de Chesire por colocares no ecrã o ovo sagrado do Oshima.

  5. nanovp diz:

    Que bem me lembro do episódio, (já serei assim tão velho?!!!!?), e merece bem, não sendo um dos meus favoritos, a homenagem e a lembrança.

Os comentários estão fechados.