Queda eterna, FMI e mais

Maggie Taylor

Maggie Taylor

Motivação: relatório do FMI, as primorosas reflexões do Pedro Marta Santos e do Henrique Monteiro a propósito do dito. Medidas economicistas da (des)graça nacional.

Banalidade: o perímetro do buraco de ozono aumenta e dele a obesidade acentua-se nos países ricos.

Os mui nossos antípodas confirmam a banalidade. Bem perto da Nova Zelândia, o buraco é anafado e proporcional à dimensão do continente australiano que chamas varrem trágica e frequentemente. Culpa: entre outras, o ‘efeito estufa’ originado pelo desmantelar da «ozonosfera» sita na estratosfera entre 15 a 35 km do solo terrestre. E se é prejudicial aos humanos a destruição do ozono (O3) que inconsciências provocaram correndo décadas! O pior é fechar a rutura, visto a brincadeira dos pares de átomos de oxigénio (moléculas de O2) se ligarem a átomo desamparado do mesmo elemento químico demorar ror de anos na parte gasosa acima do nosso planeta rochoso. É que o Sol amigo responsável pela emissão da luz visível natural nem sempre o é: acompanham-na ultravioletas, infravermelhos e sopa nociva de partículas e doutras radiações. De todas, as perversas infiltram-se e devem ter acelerado os neurónios dos nativos da Austrália que não param de surpreender.

Concluíram investigadores australianos que pensamos melhor deitados do que em pé. A culpa é da noradrenalina, dizem, avessa ao stress e à ação da gravidade. O cérebro aquieta-se na horizontal. Finalmente, entendida a razão de tantas mulheres e homens que singram na vida deitados. Eles lá sabem.

Maggie Taylor

Maggie Taylor

Autoridades australianas decidiram ser literais quando alguém adquire o estatuto de ‘pés para a cova’: enterram-no na vertical. Economizam espaço – era suposto terem-no de sobra! – e minimizam o impacto ambiental enfiando o defunto num saco de plástico a três metros de profundidade. Simples e fácil de reciclar – a bicharada do subsolo inicia a refeição em tempo menor que o dum suspiro de gente.

MaggieTaylor

MaggieTaylor

O chamado «sono eterno» deixa de fazer sentido. De um passamento dir-se-á «queda eterna» e de um falecido «sentinela funda». Mortos sem direito a sossego. Há pouco finados, de imediato pasto de famintos organismos. Nem após a morte direito a tréguas precárias – um esquife demora a ser corroído. Se importado, menos despesa. Subsídios por morte inferiores.

Conclusão: metodologia económica é. O FMI vai gostar.

 

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade.
No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria.
Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Queda eterna, FMI e mais

  1. Maria do Céu Brojo diz:

    Complemento:

  2. curioso (crema) diz:

    muito clarinho (os bichos também actuam dentro da urna. cremar é uma limpeza)

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Bem escolhido o vídeo.Simples e sem erros de monta. Obrigada.

      • curioso (venha) diz:

        Quais os erros que nāo monta?

        • Maria do Céu Brojo diz:

          Não é o ozono por si só que é responsável pela absorção dos raios ultravioleta, mas sim o ciclo ozono-oxigénio como é referido no texto, embora com designação outra. Por outro lado, e a minha omissão foi deliberada em nada me desculpando, o ozono é um gás poluente porque responsável de danos a espécies vegetais, de problemas respiratórios e pelo nevoeiro fotoquímico (smog).

          • Curioso (es tu fado) diz:

            Absorção? Ciclo do ozono? Efeito estufa é outra coisa em que outro elemento bem conhecido joga terrível papel. O dito buraco não é anafado e não joga com a riqueza dos países, pois desse estatuto não goza Portugal nem a Antártida. PEDQ

  3. Pedro Marta Santos diz:

    Os homens morrem sempre de pé.

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Alguns, diria eu – a valentia e a honestidade não abundam como o desejado.

  4. nanovp diz:

    Podia ser uma solução para o nosso parlamento, pô-los a pensar deitados…talvez resulte melhor…

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Talvez, conquanto me pareça que em vez de pensarem, ressonariam. No caso do Parlamento e segundo o estudo, cadeiras cómodas, reclináveis e com massagem ainda julgo serem o melhor método para os neurónios se agilizarem.

  5. Ganhou outra propriedade a expressão: ele é um morto em pé.

Os comentários estão fechados.