Reflexão indignada

Ó meus caros amigos, ó valha-me Deus! Eu estou indignado por não conseguir estar indignado com coisa nenhuma. É que nem o cão para abater, nem a Pepa da Samsung, nem o relatório do FMI neste momento me indigna. Terei alguma doença?

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

16 respostas a Reflexão indignada

  1. Antonio diz:

    triste fado de ser português…. parece que nada nos indigna, a não ser que fosse da familia do menino, o Moedas ou a Pepa… somos ovos moles?

  2. Aníbal Silva diz:

    De facto isto é uma tristeza! Para tentar melhorar a situação e seguindo o exemplo de gente ilustre deste país vou ver se consigo contrair umas dívidas; pode ser mesmo ao fisco, que bem merece. E como tristezas não pagam dívidas…

  3. Pedro Bidarra diz:

    Chama-se imunidade. Como quando se vive perto de um esgoto. A partir de certa altura habituamo-nos ao cheiro

  4. teresafont diz:

    Indigna-me que não se indigne, Henrique Monteiro. É certo que nem o cão morre, nem a Pepa almoça e tudo isto existe, tudo isto é triste. Entretanto estarão pela certa milhões de crianças a morrer e milhões de carteiras a ser vendidas.por esse mundo sem indignações de maior. Mas eu é que a pensar numa coisa com algumas semelhanças ao honesto trabalho daquela menina. E é agora que a parva diz enormidades com voz de QI 58. Despeçam alguém na Samsung, sim? Obrigada..

    • Henrique Monteiro diz:

      Mas eu estou indignado de não estar indignado, portanto não pode estar indignada por eu não estar indignado, uma vez que indigna que se indigne por eu não estar indignado quando eu estou indignado por não estar indignado. Acho que me fiz entender 🙂

      • Vanda diz:

        🙂 e esse ja é o seu castigo … pq é o pior sentimento … Qd tem consciência de que deveria indignar-se e ja nem isso consegue … Qd é algo que nem exige força fisicamente por isso um eventual cansaço (físico) tb não o justificam … É de facto como diz o Pedro Bidarra … O q é MUITO triste !

      • Posso porque ainda não almocei. Mas fez-se entender. De modo geral. Já aqui venho saber novas do bicho e da Pepa.

  5. teresafont diz:

    *ando a pensar.
    (ou andava. Sei lá, como tão apropriadamente diz não sei quem)

  6. curioso (dig no) diz:

    é como ter pena de não ter pena.

    mas in dignado parece ser não digna do, será?

    também me digno achar indigno que tantos dig nos cidadãos se dig nem assinar uma petição por causa dum dig no rottweiler sem se dig narem justificar por que outras dignas causas se dig naram já lutar.

    uma indig nação contra tal indign idade 🙁

  7. Célia Abreu diz:

    Será o “iniciado” para a saga Ensaio Sobre a Não Indignação….

  8. Uma jinjinha d’Óbidos cura isso! Acompanhada à guitarra tem efeito imediato. Se for preciso guia, conte comigo.

  9. Há muita gente indignada e pouca gente a pensar. E há uma certa (ainda que não completa) relação quantitativa e qualitativa entre uma e outra coisa.

  10. «Ouvi soar, ao longe, a harpa do nihilismo…»
    Philip K. Dick (O mistério de Valis)

  11. Maria do Céu Brojo diz:

    Claro que tem uma doença: chama-se lucidez.

Os comentários estão fechados.