Teogonia mínima

Eis o mar: as lágrimas todas que Deus chorou. As de alegria. As de dor. Desta água nascerá o homem.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática com as tags , . ligação permanente.

16 respostas a Teogonia mínima

  1. GRocha diz:

    Bem visto Eugénia! Daí o Homem chorar…. quando está alegre ou triste! Adorei a sua Teogonia Mínima! …

  2. Panurgo diz:

    lol

  3. Rita V. diz:

    Ah! Que coisa tão b’nita.

    • Ou m`nita se se estiver constipé… Merci.

      • curioso (in test inal) diz:

        não se entende que Deus chore de dor (nem de alegria).

        também não estará constipé pois isso é mais nos humanos (e ainda mais nas ó manas) e exige fibras em a bundância 😉

        • Caro curioso,

          com os amigos, como decerto sabe muito bem, desenvolvemos, à medida da intimidade, uma linguagem específica, um código afectivo.

          Agradeço-lhe, claro, pelo seu cuidado. Mas a querida Rita sabe este franceguês, de constipé que é constipado e não confunde com erro ou obstipado, ou descasqué que é despido, ou de, diante de uma porta ao dizer-se pasé, responder composé. Tudo na mesma língua: a da amizade e das patetices.

          • curioso (rego zijo) diz:

            também adoro brincar e não costumo des perdiçar. 🙂 🙂 🙂

            ps- daí o des aparecimento da fada mal vada…

        • curioso (dis corda) diz:

          para tanto mar… não chegaria chorar (todos os outros líquidos, mesmo dum deus, seriam poucos).

  4. Ou não fosse preciso rebentarem as águas para que alguém nasça…

  5. Que poema lindo, Eugenia. Vou ficar a navegar nele.

  6. Maria do Céu Brojo diz:

    Em poucas letras dizer muito não é para qualquer um. Merci por este pedaço de beleza.

Os comentários estão fechados.