Virtude e dano

A esperança é uma virtude danosa. Sustém o ser no degrau do pode-ser-que e menospreza o sopro da adversidade. Nada constrói, apenas adia.
É um fogo-fátuo, um capricho da ingenuidade: basta o rugir dos deuses e é um ar que lhe dá.

Sobre Ivone Mendes da Silva

Entre lobos e anjos me habituei a escrever. É talvez por isso que, para além de asas e de uivos, as palavras me tropecem e não encontrem sozinhas o caminho das folhas. Nessas alturas, peço para elas a bênção da tristeza, musa de sopro persistente, que triste me faz e a acolhedoras mesas me senta.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

21 respostas a Virtude e dano

  1. A esperança é uma virtude de ponta. Mas se a virtude está no meio, serão virtudes as que estão nas pontas, Ivone?

    • Ivone Costa diz:

      Mais virtuosas do que a esperança hão-de ser, que isto também há-de haver degraus nas hierarquias teologais.

  2. Henrique Monteiro diz:

    Não concordo. A ausência de esperança é um inferno, já dantes dizia o Aligheri…

  3. Rita V diz:

    ah! Ivone …a esperança é a esperança.

  4. Aquilo de que a Ivone fala será Esperança? Esperança é fazer em meio à adversidade, mesmo sem o dom da Fé, e contemplando que a adversidade jamais passe – o que inspira a Esperança é o Amor, a maior das três virtudes, o norte de tudo e única liberdade.

    A ilusão, sim, pode ser danosa porque foge da realidade, da lucidez, não para o sonho mas para a inflação da própria vida. Enfim, as ilusões, quero que se lixem e bem depressa. Mas não saberia viver sem Esperança.

    • Ivone Costa diz:

      Lá do Amor há-de ter razão Eugénia, não refuto nem concordo, respeito os seguidores mas não professo, pelo menos assim, a dar-lhe razões de força motriz ou norte magnético.

      Há em toda a Esperança um cortejo de pequenas ilusões circunstanciais que se encorpam em virtude maior. Se é necessária à vida? Ah, pois, claro que é. Se gosto de pensar assim? Não, não gosto. É só ver-me a esgrimir argumentos teológicos contra mim mesma, mas nada a fazer: muito poder tem a vida a acenar-me com o lenço das evidências.

  5. Esperança é a recusa da morte, o suporte da resistência vital. É antes, uma compulsão virtuosa.

    • Ivone Costa diz:

      Não duvido, nem digo que não seja uma compulsão virtuosa. Mas que pode trazer dano, lá isso… e, acredite, preferiria não pensar assim.

  6. Maria do Céu Brojo diz:

    Discordo, caríssima Ivone. A esperança move-nos e ao mundo como a alavanca nunca feita de Arquimedes. Utopia? E depois?

Os comentários estão fechados.