Mancha de batom

Tornar inteligível a miséria atual do país é como tentar explicar à mulher mancha de batom alheia no colarinho da camisa do «seu» homem – este pode ter sido sempre fiel, mas convém que a justificação, por ridícula que seja, tenha consistência.

Resignar como Bento XVI porque não?

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade.
No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria.
Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

12 respostas a Mancha de batom

  1. Rita V diz:

    Sinais dos tempos! No melhor colarinho cai o batom.

  2. curioso (des mancha) diz:

    melhor será andar de T-shirt (e meter a camisola na cueca). assim a miséria torna-se leve, informal, casual e evita explicações desnecessárias 😉

    Bento XVI já não aguentava com mais explicações nem com tanta austeridade.

    • Maria do Céu Brojo diz:

      Coitado! Até que entendo o Santo Homem – idade, doença e alguma corja que o rodeia são condimentos bastantes.

      • curioso (non habemus) diz:

        já se fala (e desde há muito) da Cúria Romana. tivesse ele ‘coragem’ cristã para os esconjurar… 🙁

        «Em sua entrevista com Peter Seewald, o Santo Padre havia dito sobre a possibilidade de que um Papa renuncie. Quando um Papa chega à conclusão de que ele não pode mais realizar a missão confiada a ele, “ele pode e deve renunciar”, dizia o Papa ao jornalista alemão. »

  3. Oh, Portugal não resigna e ainda vai ter o colarinho todo cheio de baton de beijinhos quando isto daqui a meio ano, lá para Setembro, começar a correr bem.

  4. nanovp diz:

    É melhor pintar a cara, lá isso é…..

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    🙂

Os comentários estão fechados.