Agarrem-nos que são cruéis!

Em dia de bolo e velas, a rádio debitou escândalo de truz: os inefáveis pensantes que nos regulam para obviarem ao desmesurado aumento de rendas incomportáveis para idosos com reformas que, de pequenas, nem para o essencial chegam, deram início a elaboração de ajuda. Pronta daqui a cinco anos. Ora, em cinco anos, quem sabe quantos dos idosos carenciados viverão ainda? E até lá? Se se finarem neste intervalo de tempo, acaba-se-lhes a miséria. Sobrevivendo, que a aguentem. Um escândalo! Outra prova larápia de matreirice cruel.

Sobre Maria do Céu Brojo

No tempo das amoras rubras amadurecidas pelo estio, no granito sombreado pelos pinheiros, nuas de flores as giestas, sentada numa penedia, a miúda, em férias, lia. Alegre pelo silêncio e liberdade. No regresso ao abrigo vetusto, tristemente escrevia ou desenhava. Da alma, desbravava as janelas. Algumas faziam-se rogadas ao abrir dos pinchos; essas perseguia. Porque a intrigavam, desistir era verbo que não conjugava. Um toque, outro e muitos no crescer talvez oleassem dobradiças, os pinchos e, mais cedo do que tarde, delas fantasiava as escâncaras onde se debruçaria. Já mulher, das janelas ainda algumas restam com tranca obstinada. E, tristemente, escreve. E desenha e pinta. Nas teclas e nas telas, o óleo do tempo e dos pinceis debita cores improváveis sem que a mulher conjugue o verbo desistir. Respira o colorido das giestas, o aroma dos pinheiros nas letras desenhadas no branco, saboreia amoras colhidas nos silvedos, ilumina-a o brilho da mica encastoada no granito das penedias.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

6 respostas a Agarrem-nos que são cruéis!

  1. Curioso (be happy) diz:

    Nem de truz, nem obviarem, nem larápia: já não é escândalo que nos inter pele, já nada é obviado porque é demasiado óbvio, já nada passa por tal eufemismo de lara piar porque são poupanças. Há que acordar novo léx ico

  2. nanovp diz:

    Miséria que infelizmente não tem cura…

Os comentários estão fechados.