Declaração humilde e louca

Por vezes penso que o mundo esta louco. Mas mais vezes ainda penso que sou eu quem está louco. Porém, entre mim e o mundo, é obvio que escolho o mundo. Assim, sinto-me muito melhor. Quem sou eu para impor a minha loucura? Que seja o mundo a impor a dele!

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom.
Sem nunca me levar a sério – no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom
(e barato).

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

7 respostas a Declaração humilde e louca

  1. Luís Quintino diz:

    “Eu sou do tamanho daquilo que vejo e não do da minha altura.”

  2. curioso (medio loco) diz:

    pois… se o mundo tivesse uma loucura como a nossa… não seria tão grande assim e dividida por tantos… nem se daria por ela 😉

    “Chamem-me o que quiserem”… mas castrado não 🙂

  3. monica diz:

    deixar q seja o mundo a impôr a sua loucura é de muito bom senso eheheh gostei gostei mesmo da declaração

  4. fernando capela diz:

    Mais um ano dia a dia e desfolhamos a vida nesta ânsia de viver.

  5. nanovp diz:

    A má fama do mundo, o proveito é seu….

Os comentários estão fechados.