Momento Maya

As cartas ditaram os vencedores dos Óscares:

"Argo", a habitual vitória da mediania

“Argo”, a habitual vitória da mediania

Melhor Filme: “Argo” (num mundo perfeito: “Lincoln” ou “Beasts of the Southern Wild”)

Realizador: Michael Haneke, por “Amour” (Spielberg, por “Lincoln )

Actor: Daniel-Day Lewis, “Lincoln” (Daniel Day-Lewis, “Lincoln”)

Actriz: Emmanuelle Riva, “Amour” (Emmanuelle Riva, “Amour”)

Argumento Original: Wes Anderson, “Moonrise Kingdom” (Mark Boal, “Zero Dark Thirty”)

Argumento Adaptado: Chris Terrio, “Argo” (Tony Kushner, “Lincoln”)

Actor Secundário: Robert de Niro, “Silver Linings Playbook” (Philip Seymour Hoffman, “The Master”)

Actriz Secundária: Anne Hathaway, “Les Misérables” (Anne Hathaway, “Les Misérables”)

Fotografia: Claudio Miranda, “Life of Pi” (Janusz Kaminski, “Lincoln”)

Montagem: William Goldenberg, “Argo” (Dylan Tichenor e William Goldenberg, “Zero Dark Thirty”)

Guarda-Roupa: “Les Misérables”, Paco Delgado (Eiko Ishioka, “Mirror, Mirror” ou Colleen Atwood, “Snow White and the Huntsman”)

Documentário: “How to Survive a Plague” (“Searching for Sugar Man”)

Filme Estrangeiro: “Amour” (“Amour”)

Música: Alexandre Desplat, “Argo” (Dario Marianelli, “Anna Karenina”)

Maquilhagem: Lisa Westcott e Julie Dartnell, “Les Misérables” (Howard Berger, Peter Montagna e Martin Samuel, “Hitchcock”)

Canção: “Suddenly”, “Les Misérables” (“Skyfall”, “Skyfall”)

Direcção Artística: Eve Stewart, “Les Misérables” (David Gropman, “Life of Pi”)

Efeitos Visuais: “Prometheus” (“Life of Pi”)

Sobre Pedro Marta Santos

Queria mesmo era ser o Rui Costa. Ou sonâmbulo profissional. Se não escrever, desapareço – é o que me paga as contas desde 1991 (são 20 anos de carreira, o disco está a sair). Há momentos em que gosto mais de filmes do que de pessoas, o que seria trágico se não fosse cómico – mas passa-me depressa. Também gosto dos olhos da Anna Calvi. E das bifanas do Vítor. Aprecio um brinde: “À confusão dos nossos inimigos”. Não tenho nenhuns, só uma ternura infinita pelo azul das árvores e o amarelo do mar. E peço: digam-me mentiras.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

9 respostas a Momento Maya

  1. Ivone Costa diz:

    🙂 Ah. Já tinha vindo, duas vezes, ver se esta profecia já aqui estava escrita.

  2. Estou torcendo (torcer não é o mesmo que analisar, então geralmente erro feio):

    Filme – No meu sonho, vence Amour. Só que, blé,acho que não vai. Então torço Lincoln.

    Direção – Steven Spielberg, Lincoln. Só porque eu queria que esse filme ganhasse muitos prêmios.

    Ator – Daniel Day-Lewis em Lincoln. A interpretação mais inteligente, ponderada e que maneja o óbvio e o sutil. Joaquim também estava excelente, mas, né, Daniel, Daniel, Daniel (grita, alucinada, a líder de torcida com pompons)

    Atriz – Emmanuelle Riva por Amour.

    Ator coadjuvante – Entre Christoph Waltz de Django e Philip Seymour Hoffman de O Mestre, fica tudo bem entregue. Aliás, se der Tommy Lee Jones também não é grande injustiça.

    Atriz coadjuvante – Eu não tenho nenhuma dúvida que o prêmio deveria ser da Helen Hunt que fez uma personagem incrível e tocante. Mas parece que vão dar pra Anne Hathaway de Os Miseráveis, que pena.

    Roteiro original – Amour, Amour, Amour, que é um filme \o/

    Roteiro adaptado – Estou torcendo pra Lincoln, mas eu não vi Argo ainda.

    Filme estrangeiro – Amour.

  3. Maria diz:

    Que mau … para mim note-se, Não vi nenhum. Já saiu o resultado? LOLL

  4. Se prosseguisse uma carreira Zandinga, estava bem lixado…

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    Muito bem. Esta Triste ficou elucidada.

Os comentários estão fechados.