Motown por uma noite

motownJá lá vai o tempo em que cantava na pequena igreja de Detroit em que o seu avô pastor pregava aos devotos. O tempo em que na companhia das suas amigas de bairro fascinava nos The Fascinations e também nos The Del-Phis. O tempo em que cruzava, do NorthEast ao SouthWest, uma América segregada e dividida mas em que tudo parecia ali estar só para proporcionar o cenário apropriado a uma música jovem e nervosa que estava a nascer. Esse tempo passou mas o das Vandellas, esse, continua e apesar  da Diana Ross lhe ter roubado para sempre o título de Rainha da Motown, Martha Reeves continua a pontapear rabos (portuguesismo para o delicado kicking-ass) por esse mundo fora. Desta vez foi no Blue Note de Milão (o único jazz joint do mundo propriedade de dois sisudos advogados) e eu estava lá. Em cerca de duas horas, nos seus over seventy, a Senhora Reeves dançou, apaixonou-se, desiludiu-se e zangou-se com o seu amor para depois como se não fosse nada com ela, voltar a apaixonar-se e a cantar e a dançar. Até à rua. Uma rua de Detroit que afinal era de Milão. Milan. Motown por uma noite.

Nowhere to Run” – Martha Reeves and The Vandellas (at Jools)

Sobre Vasco Grilo

Quando era rapazola dei demasiadas cabeçadas com a minha pobre caixa de osso. Hoje, como deliciosa consequência, encontro a minha razão intermitente como uma rede WI-FI, sem fios nem contrato fixo. Por vezes suspeito que a minha alma seja a de um velho tirano sexista e sanguinário, prisioneiro no corpo perfumado e bem-falante de um jovem republicano. Mas talvez eu seja só é um bocado sonso. A cidade para onde me mudei no final do século passado chama-se Aerotrópolis. Daqui partem todas as estradas e para aqui todas elas confluem. Em seu redor e para minha sorte, está um mundo que é grande e ainda muito comestível. Creio que a verdadeira felicidade possa causar uma certa tristeza. E por isso e só por isso, aqui, escreverei.

Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

5 respostas a Motown por uma noite

  1. Maria diz:

    kimbeja 😉

  2. Panurgo diz:

    O Dave Swift nasceu branco por engano.

  3. nanovp diz:

    We don’t wanna run….grande senhora, grande banda….

  4. Manuel S. Fonseca diz:

    Que raio de saudades já tinha de um post do Vasco. Era aí, em Milão, com a Martha e tudo, que devíamos ter o jantar de amanhã.

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    Pois é – despertou-me o sentimento menor da cobiça.

Os comentários estão fechados.