Paciência de santo

francesco_giullare

Quando Rossellini estreou “Francesco, giullare di Dio”, o mais franciscano dos filmes, perguntaram-lhe: “Se o seu Francesco tivesse encontrado Don Quixote o que acha que lhe teria dito?” Rossellini perguntou ao jornalista: ”A que horas se teriam encontrado? Ao nascer do sol? A meio da tarde? De noite, já com as estrelas no céu?” “De manhã” escolheu o jornalista”. “Nesse caso –  rematou Rossellini – ter-lhe-ia dito Bom Dia.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

12 respostas a Paciência de santo

  1. Henrique Monteiro diz:

    Magnifico. E ninguém me tira da cabeça que o Francesco fumava ganzas… Não é nesse filme que eles rodopiam até ficarem tontos e depois vão pregar para onde ficam virados?

  2. magnocatulo diz:

    Seria benvindo um ciclo – RTP 2 – dedicado ao cinema italiano.

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Boa ideia. Agora andam a apetecer-me os Rossellini. E nem devem custar muito dinheiro que já ninguém compra filmes desses.

  3. Ó… não vi. E o menino Rossellini podia ter paciência de santo, mas era fresco…

    • Manuel S. Fonseca diz:

      O Rossellini devia ser seu primo. E pode ver tudo no Youtube. Está lá inteiro este Francesco.

      • A minha paciência é do tamanho de um fósforo a arder, mas em contrapartida, sou uma santa! Frescos são certos uns que me atiram o youtube à cara, a mim, coitadinha, uma moura de trabalho as we speak…

        • Oh, uma franciscana do trabalho, não me diga que está a preparar compotas e a fazer barulho para os vizinhos com as colheres de pau! Em vez de estar a escrever posts para este blog de São Francisco.

          • Pois fique sabendo que as minhas compotas são boas que se fartam! Mas não, estou a escrever uma coisa que cá sei e não digo. E vou-me já embora. Boa noite, irmão de lua, até manhã quando o irmão sol lailailai…

  4. Maria do Céu Brojo diz:

    Pasolini havia de no filme referido encontrar inspiração para “Vangelo secondo Matteo” e “Uccellacci e uccellini”. Retoma o tema – revolução moral interior – e a atmosfera de Rossellini. Mas disto sabe mais o Manuel do que eu.

  5. Maria diz:

    Ah e eu que este fim-se-semana estive num retiro civilizacional e andei a cozinhar dessa forma: um belo de um galo velho que esteve 5 horas dentro da panela vigiado à vez pelos respectivos comensais 😉

  6. nanovp diz:

    Não vi! Por coincidência apanhei o “Germania anno zero” na cineamteca e revi o “Stromboli terra do Dio” na semana passada…

Os comentários estão fechados.