Uma Senhora


O tempo, pouco, que passei por perto da Madalena Barbosa (1942-2007), não dava para escrever um grande post sobre a Fundadora do Movimento de Libertação das Mulheres em Portugal.

Mas posso escrever que Madalena Barbosa, como funcionária da Comissão da Condição Feminina,  privilegiou a luta pelos direitos das mulheres dentro das instituições.

Passaram 39 anos e tenho a certeza que ela ajudou a fazer parte da diferença.

Madalena Barbosa morreu dois anos depois de termos tido a última conversa, numa noite simpática de fim de ano, numa cabana à prova de frio no sopé da Serra de Sintra.

Neste post, eu gostava de deixar a impressão que tenho dela: Uma mulher que vivia a coragem tranquilamente e para quem ”o sentir é o principal”.

MADALENA BARBOSA CONVITEConcepção do convite Ana Vidigal

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem.
Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton.
Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque… escrever é triste.

Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

3 respostas a Uma Senhora

  1. Olinda diz:

    se berrou tranquilamente que sentir é o principal, já a amo.

  2. Maria do Céu Brojo diz:

    Hoje, e por aqui, somente boas notícias. Esta faz parte do rol.

  3. nanovp diz:

    A ignorância do desconhecimento…obrigado Rita por me ir lembrando….

Os comentários estão fechados.