Are we Hercules?

Os manifestantes, tantos, pediram ao governo: demissão, já! Custa-me a estética do desencanto, mas… ó meus queridos, este é o país que fodeu Sena após o 25 de Abril. E Relvas não estava, então, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Se o poder acorda a Hidra e todas as suas cabeças e o veneno delas nas melhores das criaturas, nas outras…

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.

Esta entrada foi publicada em Escrita automática com as tags . ligação permanente.

10 respostas a Are we Hercules?

  1. curioso (a bis mal) diz:

    qual Sena? o Ayrton? no lo creo… 🙁

    o Relvas estava na faculdade permanente da experiência equi valente, a juntar pontos para depois (nos) coser. se a hidra tivesse veneno (e não sono hibernal) já haver ia sol ução há muito. assim, sem Hércules, o país continua à beira de abismo adiado.

    • Demissão não é sinónimo de solução – isto não obsta à falta de civilização que é ter Relvas no governo. E outros relvas a secar cultura e instituições, ou para nos mantermos na flora, olhe, eucaliptal.

      • curioso (eu eu eu eu) diz:

        pois não. mal por mal… fiquemos en cavacados, então?

        quatro eus: eu génia, eu fémico, eu fónico, eu ca(li)ptal

    • curioso (que Sena) diz:

      talvez seja este o Sena… mas o que (de mal) lhe fez o país? o governo? o poder? isso não sei… 🙁

      • curioso (Sena RIP) diz:

        Sinais de Fogo… e não só… então, já lá cheguei! os interesses mudam mas o País e os seus Maiores ficam!

  2. O Poder é um veneno, mas deve também ser um perfume. It smells like victory.

Os comentários estão fechados.