Árias – e ao homem diz a mulher: “Tás aqui, tás a morrer!” (12)

Vá lá isto é dia da Mulher, coisa meia para o não gosto, pelo que decidi – deliciado pelo post da Eugénia, trazer as Valquírias ao barulho. Por isso aqui fica esta grande interpretação de Siegmund! Sieh auf mich! que toda a gente saber querer dizer Segismundo, olha para mim! em que a bela (?) Brunilde (mas haverá belas, em Wagner?)  avisa o Segismundo que ele vai morrer e vai para Vahalla. Esta história faz parte da tetralogia O Anel dos Nibelungos (composta por O Ouro do Reno, A Valquíria, Siegfried e O Crepúsculo dos Deuses) que o compositor levou 28 anos a concluir. Caso não saibam, dir-vos-ei que foi tudo inspirado na revolução de 1848 à mistura com a lenda de Siegfried.

A história é demasiado complexa para vos contar, portanto contentem-se com o que já aqui deixei sabendo que esta interpretação é de dois monstros wagnerianos. Birgit Nilsson e John Vickers. E sim, ouçam a orquestração. Nada em Wagner vale mais a pena do que a orquestração, eis o mon avis de velho operário.

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

8 respostas a Árias – e ao homem diz a mulher: “Tás aqui, tás a morrer!” (12)

  1. Luís Paiva diz:

    Dia Internacional da Mulher… Birgit Nilsson…quase que a confundia com a Brigitte Nielsen…

  2. Também não é bem assim…

  3. olinda diz:

    nem é preciso mais.:-)

  4. Ó Henrique, o que já me ri com o título deste post… Quando era miúda havia uma canção de outra miúda, um bocadinho mais velha porém, que passava na rádio, a coisa era assim:

    ai quem me dera ter um homem muito brasa
    para meter na mala e levar para casa lailailai

    Isto para lhe dizer que preciso deste título muito em brasa para meter na mala e levar para casa. Prometo dar-lhe bom uso e dizer que é todo seu.

  5. Henrique, o Syberberg fez uma adaptação do Parsifal com a Edith Clever. É a “única” bela do Wagner. Eu vi-a. Tocou-me, uma festa no cabelo.

  6. Ópera o ópio do povo:

  7. nanovp diz:

    Mesmo antes das palavras a música já nos tinha levado ao céu…

Os comentários estão fechados.