Árias – Uma máquina de cantar, até se avariar (18)

Pensa o dr. Bidarra que não há nada que não seja sério na ópera? Pois é na ópera que se solta a buffa mais distinta de todos os espetáculos.

De tal modo que aqui lhe deixo, retirado dos Contos de Hoffmann, uma linda opera de Jacques Offenbach (um tipo que tinha a mania de ter mais nome do que o Bach), a aria da boneca Les oiseaux sur la charmille, que é como quem diz os pássaros no caramanchão.

Com libretto de Jules Barbier, baseia-se em três contos fantásticos de Ernst Hoffmann, um escritor fantástico do início do século XIX, nascido em Konigsberg e falecido em Berlim (os seus contos mais conhecidos serão The Sandman e o O Elixir do Diabo). Na ópera, é famoso o dueto feminino Belle Nuit, ó Nuit d’Amour, mais conhecido por Barcarolle, por ser essa a forma da música.

Esta que aqui deixo é mais divertida, ora vejam e ouçam a Natalie Dessay na Opera de Paris

 

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom. Sem nunca me levar a sério - no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom (e barato).
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

7 respostas a Árias – Uma máquina de cantar, até se avariar (18)

  1. Pedro Bidarra diz:

    Que belo e buffo momento. Estamos bem precisados

  2. Ó que bem caçado que isto foi!

  3. Agora só posso ouvir! Logo vejo, mas conheço a peça. Divertida e com outras versões engraçadas e até semi-eróticas!

  4. Luís Paiva diz:

    Adoro a Natalie Dessay mas, nesta ária, ninguém bate a Patricia Petitbon. Digo eu…

  5. Luís Paiva diz:

    Em tempo, esta versão da Natalie Dessay será mais conhecida:
    http://www.youtube.com/watch?v=NqZQXkLtP9s

    Da Patrícia Petitbon, no youtube, só consigo apanhar esta versão:

Os comentários estão fechados.