Bisogna morire

É no “Amarcord” que o Fellini filma uma cena em que os animais são levados à benção de Santo António. Pois eu trago aqui, a São Henrique, para benção e responso esta passacalha da vida. Mal me atrevo a dizer que gosto muito, antes de ouvir o verdadeiro Maestro dizer que gosta tudo. Ah, e se ele não gosta nada?

Oh come t’inganni
se pensi che gl’anni
non hann’ da finire,
bisogna morire.

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

16 respostas a Bisogna morire

  1. Se São Henrique não gostar nem abençoar, pede-se a Santo António que lhe perdoe.

  2. Henrique Monteiro diz:

    Abençoo até porque estava louco para escrever uma palavra portuguesa com dois oo.

  3. Panurgo diz:

    As gravações não lhe fazem justiça. Tive o privilégio de o ouvir. É um santo a cantar.

    http://www.youtube.com/watch?v=fKqqDRJ8TZc

    Itália tem a melhor música. E as mulheres mais melhores, que não há gramática que chegue para as descrever. Mas isso é outro assunto.

  4. Que história haverá por trás deste tema? Cheira a tragédia!

  5. Henrique Monteiro diz:

    A passacalha (aprenda Maître, que há palavra em português, ou havia) é bonita sim senhor

    • Manuel S. Fonseca diz:

      Mas Maestro, e sem estar a dar-lhe uma de mestre, olhe que eu usei a linda palavra passacalha no meu texto, como verá…

  6. Maria do Céu Brojo diz:

    Sabia lá o que era passacalha! Investiguei e fui ter a Edino Krieger e a Fred Schneiter. Não é que tenha adiantado muito, confesso.

  7. nanovp diz:

    Mistério bem cantado e tocado em local soberbo.

Os comentários estão fechados.