O Mundo em cuecas e a Europa no café.

Há ideias que são minhas. Há ideias que são bonitas. Há ideias que são minhas e são bonitas. Mas há também – para profundo incómodo do meu recalcado ego romântico – ideias que são bonitas mas que não me passam cartão. Esta, de Steiner no seu ensaio “Uma ideia de Europa“, é uma delas:

Desenhe-se o mapa das cafetarias e obter-se-á um dos marcadores essenciais da Ideia de Europa

Sobre Pedro Norton

Já vos confessei em tempos que tive a mais feliz de todas as infâncias. E se me disserem que isso não tem nada a ver com tristeza eu digo-vos que estão muito, mas muito, enganados. Sou forrado a nostalgia. Com umas camadas de mau feitio e uma queda para a neurose, concedo. Gosto de mortos, de saudades, de músicas que nunca foram gravadas, de livros desaparecidos e de filmes que poderiam ter sido. E de um bom silêncio de pai para filho. Não me chamem é simpático. Afino.
Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

4 respostas a O Mundo em cuecas e a Europa no café.

  1. a.riès diz:

    Por acaso, agrada-me a ideia do Mundo estar em cuecas, é que deve estar a arrebentar de calor. Gostaria de ver desenvolvida essa ideia da Europa dos Cafés”.
    Se tiver tempo, agradeceria.

  2. Manuel S. Fonseca diz:

    Pedro, tenho para aqui um “beau livre” sobre cafés, livros e escritores. Tem mapas e tudo. Bem lembrado.

  3. Maria do Céu Brojo diz:

    Mapear as cafetarias europeias, mais saber sobre a Europa que foi e a que é. Assim de repente, lembro o “Flore” e os nomes que o tornaram «covil» de escritores e artistas, de pensadores, lá ‘pras’ bandas de Saint-Germain-Des-Prés.

  4. nanovp diz:

    Bem lembrado esse grande mestre e este livro em especial, que parece fazer tanta falta agora…

Os comentários estão fechados.