Segunda-Feira de Esperança

MB - DGPOEMAS COM ADÉLIA PRADO DENTRO – ii
SEGUNDA-FEIRA DE ESPERANÇA

Hoje segunda-feira todas as segundas
dia da criação
fazemos com esperança e de lábios vermelhos
o céu e a terra e a todas as criaturas
alimentadas de leite e mel
Sexta-feira à noite
em escuro preto de luto
contemplaremos a nossa obra
levantou-se ruiu
e respiraremos fundo o novo fôlego
já para segunda
– isto se não tivermos morrido quarta-feira à tarde
de uma surpresa branca
que daria cabo do fim-de-semana

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

7 respostas a Segunda-Feira de Esperança

  1. Pode talvez dizer-se que se morre de surpresa branca na Moby Dick do Melville. Pode?

  2. Mário diz:

    Parece-se com a Dorothy Vallens (Isabella Rossellini) no Blue Velvet do David Lynch…até o olhar da lente não é inocente, podia ser o Frank (Dennis Hopper) a tirar a foto…

  3. Que bela oração, Eugénia.
    O bem que me fazem estes seus poemas e fotografias acompanhantes.
    Vou levar este no bolso, pode ser servido de surpresa noutro dia.

  4. Maria do Céu Brojo diz:

    Mais um poema que não deixo à conta das chaminés virtuais. Imprimir é ordem que me dou. Que bela coletânea estou a arquivar em dossiê para muitas vezes fruir!

  5. nanovp diz:

    Todos os dias são bons para se nascer e morrer, segundas feiras de esperança soa melhor ainda…

Os comentários estão fechados.