Tão bonito

Nascer e morrer em um minuto e dezassete

 

 

 

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

8 respostas a Tão bonito

  1. Lindo. Dezasseis fotogramas por segundo pintados à mão. A prova que a vida, ou uma pintura, ou um desenho, ou um filme, é uma composição.

  2. Ivone Costa diz:

    Oh, que lindo mesmo, Rita.

  3. Rita, parece o bailado da CYd Charisse no Singin’ inthe Rain com um véu gigantesco. Para lhe dar mvimento ligaram umas ventoinhas de avião no estúdio. Como é conseguem o movimento aqui? Só a bailarina não é possível…

  4. nanovp diz:

    E tão simples…

Os comentários estão fechados.