Às minhas amigas

Quando fui trabalhar como copywriter para uma agência de publicidade não foi porque gostasse de publicidade (ninguém gosta na verdade, só as crianças) mas porque precisava de dinheiro e sabia escrever anúncios. Na verdade pensava que um anúncio era uma coisa que toda a gente sabia escrever (pelo menos um mau anúncio).

Porque a publicidade me irritava e me interrompia e tratava (e trata) os consumidores como se fossem estúpidos, achava que era possível e que conseguia fazer melhor. Fazer melhor, fazer bem, era um modo de pedir desculpa aos consumidores pela interrupção dos seus programas, das suas leituras, dos seus dias. Fazer melhor era, para mim, convocar a arte, o talento e a escrita para dar, a quem via, um momento especial. (Pago por uma marca, claro.)

Nem sempre se consegue. Na verdade a maior parte das vezes não se consegue. Mas às vezes…

P.S.: Este filme foi escrito por um copywriter português a trabalhar no Brasil, o Hugo Veiga.

 

Sobre Pedro Bidarra

As pessoas vêm sempre de algum sítio. Eu vim dos Olivais-Sul, uma experiência arquitecto-sociológica que visava misturar todas as classes sociais para a elevação das mais baixas e que acabou por nos nivelar a todos pelo mais divertido. Venho também da Faculdade de Psicologia da clássica, Universidade Clássica de Lisboa onde li e estudei Psicologia Social e todas as suas mui práticas teorias. Venho do Instituto Gregoriano de Lisboa onde estudei os segredos da mais matemática, e por isso a mais emocional e intangível de todas as artes, a música. E venho sobretudo de casa: de casa das duas pessoas mais decentes que até hoje encontrei; e de casa dos amigos que me ajudaram a ser quem sou. Estes foram os sítios de onde parti. Como diz o poeta (eu): “Para onde vou não sei/ Mas vim aqui parar/ A este triste lugar.”
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

10 respostas a Às minhas amigas

  1. Estás desculpado, Master Bidarra. Há muito tempo que não me sentia tão bem interrompido.

  2. Maria do Céu Brojo diz:

    Subscrevo o Diogo. As amigas agradecem. 🙂

  3. Rita V diz:

    que bom
    muito bem trazido

  4. Henrique Monteiro diz:

    Ó dr Bidarra, até a minha filha se comoveu com o anuncio.

  5. Manuel S. Fonseca diz:

    Pedro, e se fizessemos o exercício aqui no blog? Auto-retrato e retrato alheio. Era capaz de dar uma grande caldeirada.

Os comentários estão fechados.