Despe e veste a boneca


Os homens gostam de striptease para aprisionar a nudez em cada peça de roupa a menos. Objectificar é uma forma de fixar, não é? Mesmo o próprio desejo. O museus estão repletos de nus contemplativos, interrogativos. A diferença entre o homem que está no club de strip e o que está a olhar A Origem do Mundo, de Courbet, é superficial. Esquecerão os homens que, mesmo nua, na mulher se oculta o mistério que procuram revelar? Tudo o que no homem é explícito, na mulher não é. Por isso ao homem cabe a certeza sobre o mundo e a eterna dúvida sobre a mulher – e sobre eles mesmos. É assim, é a vida.

Sobre Eugénia de Vasconcellos

Escrever também é esta dor amantíssima: os lábios encostados à boca do silêncio, auscultando, e nada, esperando dele a luz que beije. É assim, pelas palavras se morre, pelas palavras se vive.

Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

15 respostas a Despe e veste a boneca

  1. Olinda diz:

    🙂

    (e até a vida é mulher)

  2. 🙂 Grande sorriso, Eugénia.

  3. Manuel S. Fonseca diz:

    E não há nudez que se queira tanto como a da mulher vestida.

  4. nanovp diz:

    A dúvida mantém-se na mulher despida…

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    C’est comme ça!

  6. Mário diz:

    O que dá graça ao strip é o tease. Strip é o que se faz no médico.

    E entre o homem que está no museu e o homem que está no clube existe, de facto, uma semelhança: ambos gostam de contemplar a beleza. Com ligação directa ao coração.

Os comentários estão fechados.