Em defesa do presente

É triste não encontrar ninguém que goste do presente. Andamos uns passos e damos com certas pessoas que, saudosas, lembram os bons tempos do passado; um pouco adiante, esbarramos com outras que vêem amanhãs a cantar. Eu quero, porque gosto de estar em minoria, defender o presente.

O presente é o melhor instante que temos neste momento. Ao sermos impedidos de viver dois, ou mais,  presentes simultâneos não temos outro remédio senão gostarmos do presente que temos. E além disso, passado e futuro são lugares irreais que vivem de conceitos abstractos como recordação e esperança. O presente é bom quando se bebe uma imperial e se comem uns tremoços a olhar para o mar. Só tenho pena que o presente passe tão depressa.

Sobre Henrique Monteiro

Nunca fui um sedutor, embora amasse algumas mulheres hospitaleiras. Nunca fugi de um combate, mas sempre invejei quem, ao abrir as portas de um saloon, provoca pânico entre os bandidos. Tenho nas veias sangue jacobino, mas odeio revoluções e igualdades uniformizadoras. Sou pacato e desordeiro, anarquista institucional, maestro falhado, cantor romântico e piroso a quem falta tom.
Sem nunca me levar a sério – no melhor sentido da palavra, acho que apenas sou um homem bom
(e barato).

Esta entrada foi publicada em Escrita automática. ligação permanente.

10 respostas a Em defesa do presente

  1. José MartinsdaCruz diz:

    Num futuro-breve HM irà gozar o pazer do presnte-passado a beber cerveja e a comer tremoços olhando para o Mar!!…. Originalidade de escritas por utopica singularidade destinada a minorias mal refetidas!!…

  2. Antóniobarreto diz:

    Depois do presente, presente vem! Nessa capacidade de disfrutar dos tremoços e da cerveja é que está o truque!

  3. Maria do Rosário Almeida diz:

    Concordo plenamente, nunca dei tanto valor ao presente, hoje sei que estou, alegre ou triste, mas estou, com ou sem tremoços, apesar de gostar bastante!!!!!!!!!!

  4. Manuel S. Fonseca diz:

    O presente é o passado a expandir-se…

  5. Rita V diz:

    da próxima vez que estiver contigo dou-te um presente
    😛

  6. nanovp diz:

    Viver o presente, sem a experiencia do passado e a expectativa do futuro, é o mais difícil…vistas as coisas parecem-me bem os tremoços e a imperial….no presente , passado e futuro!

  7. De uma bonita simplicidade. Concordo

Os comentários estão fechados.