Levada em viagem no porta-malas de um Vectra

Mãe levada em viagem no porta-malas de um vectra

Hoje, os portais brasileiros saíram com essa história de uma mãe que era levada em viagem pelo filho, a nora e amigos no bagageiro do automóvel. A simpática senhora foi fotografada adormecida e devidamente refestelada sobre o carpete do porta-malas pela Polícia Rodoviária Federal. O fato aconteceu no Paraná, quando um sedan Chevrolet Vectra se dirigia à fronteira do Paraguay. O condutor foi multado em cerca de 80 euros pela gravíssima infração de conduzir passageiro em local indevido, e perdeu sete pontos na carteira de motorista. A senhora seguiu na viagem de modo menos aventureiro ou onírico.

Um teórico pós-moderno, um Barthes desses da vida, bem que ia analisar o contexto – contexto, aqui, no sentido de Todorov – para nele encontrar certa contrafação uterina. Ou então, dele retirar uma nova mitologia. Uma sorte de vingança ou inversão por parte do filho. Uma interdisciplinaridade qualquer que ainda se desconhece. A sub-reptícia inveja dos homens ante a incapacidade de gerar seres verdadeiramente e vivos.

Não se tem tanta sofisticação.

Pode-se, no entanto, indagar: se o filho faz isso com a própria mãe, o que não faria com a sogra?

Sobre Ruy Vasconcelos

Nasci mais ou menos no Brasil. Vivi em alguns lugares distantes. Em trânsito. Em transe. Em tradução. Por aí, ocupado com palavras. Palavrinhas, palavronas. Conheci estes amigos portugueses um blogue atrás. E gostei do que li.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

9 respostas a Levada em viagem no porta-malas de um Vectra

  1. À sogra não faz nadinha que a mulher não deixa!

  2. É de lascar! Mãe abnegada, essa…:)

  3. nanovp diz:

    Ruy pode não existir explicação alguma…mas não gostava de ser amigo desse cara…

  4. Ruy, um dia, nos meus tempos de cinemateca, levámos um visitante espanhol na bagageira. Acho que à frente ia a Marisa Paredes, o Victor Erice, e outras vedetas. O intelectual já não cabia e foi sentado na bagageira. Pode não acreditar, mas uns anos depois era Ministro do governo espanhol.
    Quando nos vieres visitar não se admire: bem vê como tratamos os intelectuais irmãos.

    • Ruy Vasconcelos diz:

      Anotei aqui, Manuel: “quando for a Portugal, um travesseiro inflável”. Valeu a dica.

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    Nem quero imaginar. Livra!

Os comentários estão fechados.