Se

Se

Sobre Rita Roquette de Vasconcellos

Apertava com molas da roupa, papel grosso ao quadro da bicicleta encarnada. Ouvia-se troc-troc-troc e imaginava-me a guiar uma mobylette a pedais enquanto as molas a passar nos aros não saltassem. Era feliz a subir às árvores, a brincar aos índios e cowboys e a ler os 5 e os 7 da Enid Blyton. Cresci a preferir desenhar a construir palavras porque... escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre com as tags . ligação permanente.

9 respostas a Se

  1. Bruto da Silva diz:

    Ou seja, nunca o esculpiria ou… daria cabo dele.

    O melhor seria recordá-lo (nos intervalos) e repeti-lo sempre que se esquecesse, se…

  2. ERA UMA VEZ diz:

    e…então
    a minha oficina se sonhos seria o meu lugar
    tu serias um pássaro ou um sol
    que à hora certa
    no tempo certo
    me havia de encontrar

    Lembras-te?
    Quem esculpiu o infinito
    deixou-nos a doce tarefa de inventar o beijo

  3. cristina gonçalves diz:

    o infinito é liberdade ou prisão?

  4. Que ideia tão bonita, Rita.

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    E lá volto eu ao mesmo: comentário lacónico com universo de emoções minhas dentro.
    Comentário – sentir lindo.

Os comentários estão fechados.