Silêncio

Na rádio, na televisão, nos jornais, os imparáveis, torrenciais comentários. É que não se calam. Até admira como a nação não está já salva, para séculos e séculos…

Sobre Manuel S. Fonseca

O meu maior medo é que a morte seja tudo às escuras sem se poder ler. Pouco interessa deixar de ser humano, desde que não deixe de ser leitor. Ler é do mais feliz que tenho. Até porque escrever é triste.
Esta entrada foi publicada em Post livre. ligação permanente.

9 respostas a Silêncio

  1. É, de facto, uma estéril cacofonia.

  2. Você com as suas subversões, Manuel Fonseca! Que chatice… Estou mesmo a ver chegar aqui um ouvinte, perdão um leitor a dizer-nos: com tanta conversa vossa já era de esperar que escrever fosse feliz.

  3. adelia.ries diz:

    Amen.

  4. Caro Manuel; não está salva mas resiste estoicamente o que poderá constituir uma esperança de “salvação”.

  5. Maria do Céu Brojo diz:

    São ruídos, Senhor, são ruídos a entupir a comunicação.

  6. Mário diz:

    E no meio do ruído aparece a palavra da salvação e ninguém dá por ela 🙂

  7. nanovp diz:

    Excelente recomendação Manuel, e bem representada…

  8. Em comedidíssimo silêncio, agradeço

Os comentários estão fechados.